Eleições 2018: Alckmin reúne-se com presidentes de PSB e PRB


Tucano tenta apoios para sua candidatura

PALOMA RODRIGUES - PODER 360

Alckmin se reuniu com Carlos Siqueira (direita) em Brasília

O pré-candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, se reuniu na 4ª feira (23.mai.2018) com presidente de 2 partidos importantes para composições estaduais, Carlos Siqueira, do PSB, e Marcos Pereira, do PRB. Os encontros aconteceram em Brasília.

Alckmin solicitou o encontro com os comandantes partidários. No encontro com Carlos Siqueira, também conversou o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB). Este foi o 1º encontro de Alckmin com o comando do PSB neste ano, depois de ter se firmado como o pré-candidato tucano ao Planalto.

O comando do PSB se divide entre o apoio ao pré-candidato do PDT, Ciro Gomes, ao Planalto, ou optar por não apoiar nenhum candidato no 1º turno. Mas Alckmin mira também apoios estaduais. O PSB deve ter ao menos 10 candidatos próprios aos governos dos Estados.

O PRB de Marcos Pereira vem aumentado a proximidade com o senador Alvaro Dias, pré-candidato do Podemos à Presidência. O partido, além de garantir tempo de televisão a quem apoiar, ainda tem grande penetração entre os evangélicos, por ser próximo da Igreja Universal do Reino de Deus.

Sobre o apoio a Dias, Marcos Pereira afirma que “a priori ainda estão dialogando”, mas o partido tem se aproximado do grupo que tenta isolar PSDB e MDB na corrida pelo Planalto. Por isso, Alckmin não quer deixar o grupo se distanciar a ponto de o cenário ser irreversível.

Alckmin tem afirmado que comporá uma base de apoio para sua candidatura com ao menos 5 partidos. O PSD, PTB e o PPS já estão próximos do ex-governador de São Paulo e devem oferecer apoio ao tucano.

ACENO AO DEM

Outro movimento importante feito pelo tucano na 4ª (23.mai) foi apoiar o pré-candidato do DEM ao governo da Bahia, José Ronaldo. O PSDB havia desistido de formar aliança com o DEM no Estado quando o prefeito de Salvador, ACM Neto, desistiu de concorrer ao governo do Estado.

O PSDB havia indicado o lançamento de uma candidatura própria, do deputado João Gualberto. O partido declinou da decisão e voltou a se aproximar dos demistas no Estado.

Os movimentos de Alckmin acontecem quando a candidatura do tucano passa por forte pressão. Aliados afirmam que a candidatura precisa decolar nos próximos meses para se consolidar como a mais forte dentre as que querem atrair os partidos do centro. Essa ascensão poderia facilitar o diálogo de Alckmin com os partidos que têm pré-candidaturas com baixa expressão nas pesquisas de intenção de voto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário