Saiba o que o Governo de SP já fez pela liberação da fosfoetanolamina


Próximo passo é iniciar testes clínicos em hospitais da rede pública

Gilberto Chierice (à esquerda) fala durante encontro com Geraldo Alckmin e o ministro Marcelo Castro, que está ao lado do governador
Geraldo Alckmin e o ministro da Saúde, Marcelo Castro em encontro onde o governador entregou o pedido de liberação da Fosfoetanolamina 


O Governo do Estado de São Paulo apoia os avanços dos estudos da substância fosfoetanolamina e seu uso compassivo no tratamento do câncer. Em novembro de 2015, o governador Geraldo Alckmin esteve com o ministro da Saúde, Marcelo Castro, para debater o uso da fosfoetanolamina em pacientes com câncer.

Acompanhado do secretário de Estado da Saúde, David Uip, do professor Gilberto Chierice, da USP, e de pesquisadores, o governador entregou ao ministro um ofício solicitando o uso compassivo da fosfoetanolamina, conforme resolução RDC nº 38/2013, do Ministério da Saúde, que abre exceção para que substâncias possam ser utilizadas até que tenha aprovação final do Governo Federal.

No ofício, Alckmin também informa que pretende dar início aos testes clínicos em hospitais da rede pública estadual para avaliar a eficácia da fosfoetanolamina sintética em até mil pacientes.

Além disso, o protocolo para liberação de pesquisa clínica, liderada pelo pesquisador doutor Paulo Rolf, será apresentado em breve. Finalizada esta etapa e com aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e do Conep (Comissão Nacional de Ética em Pesquisa), o Estado começa os testes clínicos no Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp).

A Universidade de São Paulo (USP) cedeu ao Estado o direito à pesquisa e produção da substância para que seja utilizada nos testes. Esta produção será realizada pela Furp (Fundação para o Remédio Popular), laboratório farmacêutico oficial do Governo do Estado de São Paulo. Vinculado à Secretaria de Estado da Saúde, é o maior fabricante público de medicamentos do Brasil e um dos maiores da América Latina.


Do Portal do Governo do Estado

Siga o Governo no TwitterFacebook e veja fotos no Flickr

10 comentários:

  1. Este assunto tem prosperado com o auxilio e determinação do governador Geraldo Alckmin.
    Em primeiro lugar o ICESP- Instituto de Câncer do Estado de S. Paulo já está autorizado e credenciado para cumprir as etapas de aprovação da Fosfoetanolamina sintética com testes em pacientes, dentro das normas médicas eticas e legais fiscalizadas pelo Ministério da Saude.
    Em segundo lugar o governador Geraldo Alckmin já autorizou a produção do medicamento em uma ´fabrica de farmaco-quimica, já credenciada pela Anvisa. A furp irá envasar e encapsular o produto. Serão testados em 1000 pessoas, com o consumo de duas pilulas durante 180 dias, consumindo 360.000 unidades. Iso foi acertado em reunião do dia 28/01/16 com o Governador e secretario da Saude, na presença dos deputados Lobbe Neto e Ricardo Madalena. O Ministro da Saúde já emitiu uma portaria que permite que os doentes crônicos e terminais, possam usar o medicamento que esteja em estágio de aprovação experimental .
    Neste caso já temos mais de 10.000 liminares na justiça que poderão ser atendidas. Supondo 10.000 pessoas tomando 2 pilulas por dia, durante 180 dias teremos a necessidade da produção de 3.600.000 pilulas em 6 meses. Os laboratórios experimentais da USP produzem 200 pilulas por dia. Dai a necessidade da produção industrial em larga escala o que já está sendo organizado e autorizado pelo Governador Geraldo Alckmin.

    ResponderExcluir
  2. Este assunto tem prosperado com o auxilio e determinação do governador Geraldo Alckmin.
    Em primeiro lugar o ICESP- Instituto de Câncer do Estado de S. Paulo já está autorizado e credenciado para cumprir as etapas de aprovação da Fosfoetanolamina sintética com testes em pacientes, dentro das normas médicas eticas e legais fiscalizadas pelo Ministério da Saude.
    Em segundo lugar o governador Geraldo Alckmin já autorizou a produção do medicamento em uma ´fabrica de farmaco-quimica, já credenciada pela Anvisa. A furp irá envasar e encapsular o produto. Serão testados em 1000 pessoas, com o consumo de duas pilulas durante 180 dias, consumindo 360.000 unidades. Iso foi acertado em reunião do dia 28/01/16 com o Governador e secretario da Saude, na presença dos deputados Lobbe Neto e Ricardo Madalena. O Ministro da Saúde já emitiu uma portaria que permite que os doentes crônicos e terminais, possam usar o medicamento que esteja em estágio de aprovação experimental .
    Neste caso já temos mais de 10.000 liminares na justiça que poderão ser atendidas. Supondo 10.000 pessoas tomando 2 pilulas por dia, durante 180 dias teremos a necessidade da produção de 3.600.000 pilulas em 6 meses. Os laboratórios experimentais da USP produzem 200 pilulas por dia. Dai a necessidade da produção industrial em larga escala o que já está sendo organizado e autorizado pelo Governador Geraldo Alckmin.

    ResponderExcluir
  3. Deputado Roberto Massafera, gostaríamos de ter mais informações sobre a parte em que diz: "O Ministro da Saúde já emitiu uma portaria que permite que os doentes crônicos e terminais, possam usar o medicamento que esteja em estágio de aprovação experimental." Aguardamos retorno urgente!!! Obrigada!

    ResponderExcluir
  4. Efetuei pesquisa no site do Ministério da Saúde e não encontrei nenhuma Portaria que "permite que os doentes crônicos e terminais, possam usar o medicamento que esteja em estágio de aprovação experimental." Aguardamos esclarecimentos. Obrigada!

    ResponderExcluir
  5. Pra variar, reuniões e mais reuniões pra como de costume não se chegar a nenhuma conclusão definida nem definitiva, nós os doentes com câncer incuravel, continuamos na contagem regressiva da vida, diante da Fosfo, que estaria a nosso alcance se não fosse a interferência dessas criaturas maléficas.

    ResponderExcluir
  6. Pra variar, reuniões e mais reuniões pra como de costume não se chegar a nenhuma conclusão definida nem definitiva, nós os doentes com câncer incuravel, continuamos na contagem regressiva da vida, diante da Fosfo, que estaria a nosso alcance se não fosse a interferência dessas criaturas maléficas.

    ResponderExcluir
  7. Deputado Roberto Massafera, gostaríamos de saber se todas as liminares do Estado de São Paulo vão ser atendidas e se tem como o governo do Estado de São Paulo retirar o agravo que suspende as liminares, para que as pessoas com câncer no Estado de São Paulo receba a fosfoetanolamina sintética.

    ResponderExcluir
  8. Minha mae esta em estado terminal e com muitas dores, Entrei na justiça, ganhei a liminar e a USP simplesmente IGNORA uma ORDEM JUDICIAL!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  9. MEU NOME É ROBERTA WEY...Apareceu como desconhecido, mas faço questão de aparecer,alias já estou em contato com a imprensa

    ResponderExcluir
  10. Até agora o Governador SÓ falou, mas nada foi feito de fato. Quem tem câncer não tem tempo para conversa mole. Depois, quem quer faz, não foi assim com o volume morto do Cantareira? Chega de matar pacientes, gente que sofre. A Fosfo é o caminho, não vê quem não quer ou não se interessa por algum motivo excuso.

    ResponderExcluir