Para Geraldo Alckmin, o modelo de corporativista petista impede o crescimento do Brasil


'Não há nada mais corporativo que USP, Unesp e Unicamp', diz Alckmin


O governador Geraldo Alckmin (PSDB) fez duros ataques às universidades estaduais de São Paulo. "Não há nada mais corporativo que USP, Unesp e Unicamp. Por isso, estão quebradas."

A declaração foi dada ao programa "É Notícia", da RedeTV!. Alckmin havia sido questionado se as críticas das universidades públicas contra a reorganização das escolas não eram pertinentes.
Em resposta, ele disse que as instituições "representam o corporativismo ao extremo. Aliás, nem cumprem o que manda o Tribunal de Contas do Estado. Alguma delas manda lei para Assembleia para dar reajuste? Não. Poder Judiciário precisa mandar".

As três universidades são mantidas com parcela do que o Estado arrecada com impostos e têm autonomia para definir o gasto. As instituições têm feito cortes após explosão na folha de pagamento.

A USP, por exemplo, gasta mais que seu Orçamento todo com pessoal. Para fechar a conta, tem usado reservas e fez programa de demissão voluntária. Contratações também estão suspensas.

"No Brasil o interesse público, coletivo, é órfão. O corporativismo tomou conta. O resultado é isso aí, o país está caro, não cresce. É esse o modelo petista introduzido no Brasil de corporativismo extremado", disse Alckmin.

As Faculdades de Educação da Unicamp e da USP divulgaram manifestos contrários à reorganização da rede estadual de ensino básico, proposta pelo governo.

Segundo elas, a mudança visa apenas a economia de recursos e não foi debatida.

A reorganização prevê o fechamento de 92 escolas, além da transferência de 300 mil alunos de colégio em 2016.

A ideia do governo é aumentar o número de unidades com apenas um ciclo (ensino médio, por exemplo).

Nenhum comentário:

Postar um comentário