Governador Geraldo Alckmin entrega 2.190 moradias em São Carlos, Leme e Itanhaém


Todas as unidades habitacionais foram destinadas a famílias com renda mensal de até R$ 1.600, público alvo do programa da Casa Paulista


O governador Geraldo Alckmin e a presidente Dilma Rousseff entregaram nesta quarta-feira, 14 de outubro, as chaves da casa própria para 2.190 famílias dos municípios de São Carlos, Leme e Itanhaém. As moradias foram edificadas em empreendimentos viabilizados pela Casa Paulista, braço operacional da Secretaria Estadual da Habitação, em parceria com o Governo Federal.

“Ultrapassamos nossa meta. Quando assinamos a parceria eram previstas 100 mil unidades e já estamos chegando a 110 mil. São 20 mil casas e apartamentos entregues e 90 mil em construção. Não há sonho maior para uma família do que a casa própria”, comentou Alckmin.

A cerimônia aconteceu em São Carlos e teve transmissão simultânea para os municípios de Leme e Itanhaém. O investimento total das moradias foi de R$ 183,2 milhões, dos quais R$ 27,7 milhões são recursos do Estado de São Paulo, a fundo perdido, e R$ 155,5 milhões da União.

São Carlos - As 806 moradias do Conjunto Habitacional Planalto Verde têm aporte de R$ 6 milhões da Casa Paulista e recursos federais de R$ 56,4 milhões, com investimentos gerais de R$ 62,4 milhões. As casas estão localizadas na Avenida Regib Arab s/nº, com 42,98 m² de área total e 37,96 m² de área útil.

Leme - O investimento total nas 1.000 casas do Residencial Jardim Empyreo foi de R$ 80 milhões, sendo R$ 10 milhões oriundos do Governo do Estado e R$ 70 milhões do Governo Federal. As casas estão localizadas no prolongamento da Rua Victor Curioni, s/n°, com 51,46 m² de área total e 43,16 de área útil. O secretário de Estado da Habitação, Rodrigo Garcia, participou da cerimônia de entrega de chaves.

Itanhaém - Os 384 apartamentos foram edificados no Residencial dos Pássaros - condomínios dos Beija-Flores, Bem-Te-Vi, Sabiás e Tangarás. O investimento geral foi de R$ 36,8 milhões, dos quais R$ 7,7 milhões oriundos do Estado, a fundo perdido, e R$ 29,1 milhões da União. O evento contou com a presença do secretário adjunto de Estado da Habitação, Nelson Baeta Neves.

Os recursos dos empreendimentos em Leme, São Carlos e Itanhaém foram repassados pelo Governo do Estado para a Caixa Econômica Federal, agente financeiro responsável pela contratação de empresas, supervisão de obras e financiamento. Todas as moradias foram destinadas a famílias com renda mensal de até R$ 1.600 - público alvo do programa da agência Casa Paulista. Os beneficiados, que não podem ter participado anteriormente de nenhum programa habitacional, terão 120 meses para a quitação do imóvel. A menor prestação é de R$ 25 por mês e a maior é de R$ 80 por mês. As 2.190 moradias beneficiam mais de 8.700 pessoas.

As novas unidades respeitam e incorporaram as melhorias estabelecidas como diretrizes de qualidade da Secretaria de Estado da Habitação, com área de lazer, dois dormitórios, sala, cozinha, banheiro, área de serviço, piso cerâmico em todos os cômodos, azulejos nas paredes da cozinha e do banheiro, medição individualizada de água, acessibilidade e infraestrutura completa, entre outras melhorias. Os condomínios dispõem de pavimentação, paisagismo, espaço reservado para estacionamento, quadra poliesportiva, playground, área de lazer, centro comunitário e portaria.

Parceria

O Governo do Estado selou parceria com o Governo Federal, em janeiro de 2012, para a viabilização de 100 mil novas moradias no Estado de São Paulo, meta superada em dezembro de 2014. O acordo de cooperação é executado pela Casa Paulista, agência de fomento habitacional lançada pelo governador Geraldo Alckmin, e pelo Programa Minha Casa, Minha Vida. Os agentes financeiros executores são a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil.

Casa Paulista

A Agência Casa Paulista foi criada pelo Governo do Estado de São Paulo para fomentar a habitação de interesse popular e acelerar o atendimento à demanda habitacional em território paulista. Classificada como marco substancial de mudança na política habitacional em São Paulo, estabelece parcerias, capta recursos junto a governos, agentes financeiros e iniciativa privada e destina subsídios e microcréditos para viabilizar ou melhorar as condições de moradias para famílias de baixa renda, especialmente entre um a cinco salários mínimos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário