Bicudo, Reale Jr., PSDB e movimentos fazem novo pedido de impeachment


Alexandre Aragão - Folha.com

Helio Bicudo, Miguel Reale Jr. e Janaina Paschoal assinam novo pedido de impeachment
Os juristas Hélio Bicudo, Miguel Reale Jr. e Janaína Paschoal, o líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP), e os líderes de movimentos pró-impeachment Rogerio Chequer, Kim Kataguiri e Marcello Reis registraram em cartório nesta quinta-feira (15) mais um pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.

O pedido, registrado em um cartório em São Paulo, deve ser protocolado na Câmara nesta sexta (16), para que o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o aprecie.

Segundo Sampaio, o pedido reúne argumentos que estão no aditamento ao pedido original de Bicudo, sobre as pedaladas fiscais de 2014, e também informações prestadas pelo Ministério Público de Contas, junto ao TCU (Tribunal de Contas da União), sobre a continuidade das pedaladas em 2015.

Investigado na Operação Lava Jato —o Ministério Público da Suíça revelou que o peemedebista possui ao menos quatro contas naquele país —, elenegocia com o governo a salvação de seu mandato parlamentar em troca de não deixar prosperarem os pedidos de impedimento de Dilma.

Ao comentar a movimentação, Reale Jr. afirmou que o acordo "não enfraquece o pedido de impeachment, enfraquece o país, enfraquece o sentimento de moralidade". Bicudo disse que "a pessoa física [Eduardo Cunha] é que está sofrendo o processo, não o presidente da Câmara", o que não enfraquece, segundo ele, as decisões tomadas por ele no cargo.

"A movimentação foi do governo", disse Sampaio, sobre as decisões do STF (Supremo Tribunal Federal), a partir de ações de deputados governistas, quesuspenderam o rito de impeachment definido inicialmente pelo presidente da Câmara –retirando a possibilidade de recurso do plenário em caso de negativa do peemedebista. "Quem demonstrou medo da base aliada foi a Dilma." De acordo com o tucano, o governo tem mais interesse em negociar com Cunha do que o contrário.

Sampaio disse ainda que o pedido de cassação de Cunha não será assinado pelo PSDB porque o PSOL, autor do pedido, é "linha auxiliar do PT". O tucano ressaltou ainda que o novo pedido de impeachment tem todos os elementos para ser aceito por Cunha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário