Rejeição de contas de Dilma é considerada irreversível no TCU


Dimmi Amora - Folha.com


A rejeição das contas de 2014 da presidente Dilma Rousseff no TCU (Tribunal de Contas da União) é considerada internamente como irreversível. O mais provável é uma derrota unânime, apurou a Folha –com voto contrário dos nove ministros da corte.

O governo tem entre três e quatro semanas para tentar reverter o quadro. A votação deve ocorrer na primeira semana de outubro.

Na última semana, o governo entregou sua defesa final para as 15 irregularidades apontadas pelo TCU.

Entre elas estão o pagamento de despesas da União por bancos públicos e gastos sem autorização do Congresso. A defesa oscila entre dizer que os atos não são ilegais e que, se forem, já ocorriam e foram permitidos pelo próprio TCU.

O parecer do tribunal será levado ao Congresso. Se houver rejeição das contas e a posterior confirmação do veredicto pelos parlamentares, abre-se caminho para um pedido de impeachment de Dilma.

O desrespeito aos princípios do orçamento público já colocariam o governo em situação complicada. Mas o enfraquecimento da presidente e estratégia de sua defesa ajudaram a piorar ainda mais o ambiente.

Declarações de que a análise estava sendo política irritaram ministros e técnicos –é a área técnica do TCU, formada por concursados, que apontou irregularidades.


O ministro Augusto Nardes passou a andar com seguranças, dizendo que ele e seus assessores estão recebendo ameaças por e-mail. O ministro da Justiça determinou à PF a abertura de uma investigação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário