Alckmin acerta com Aécio e terá mais espaço no PSDB


Paulista faz acordo com o mineiro para ter mais influência na nova direção da sigla ; eles são virtuais presidenciáveis em 2018

PEDRO VENCESLAU - O ESTADO DE S.PAULO


Apontado como virtual pré-candidato ao Palácio do Planalto em 2018, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, terá mais influência na nova direção executiva nacional do PSDB que será renovada no dia 4 de julho. Atualmente, ela é controlada pelo senador Aécio Neves, que também disputa a próxima candidatura presidencial.

Os dois tucanos chegaram a um acordo que prevê a recondução de Aécio para mais um mandato como presidente da sigla, que vai até 2017. Mas, em contrapartida, os aliados do governador pedem que nomes da estrita confiança de Alckmin ocupem cargos estratégicos na hierarquia do partido, como a secretária-geral, vice-presidência e tesouraria. Os "alckmistas" avaliam que seria um desgaste desnecessário e precipitado enfrentar Aécio agora e pleitear a presidência do partido.

Em 2017, porém, aliados dos dois caciques tucanos avaliam que esse embate será inevitável. Pensando nisso, o grupo paulista do PSDB quer equilibrar melhor o poder interno. "São Paulo precisa ter uma participação no diretório condizente com a votação que PSDB, e o próprio Aécio, receberam no Estado", diz Felipe Sigollo, integrante da executiva paulista do partido e do diretório nacional. Os nomes apresentados para integrar a cúpula executiva são o deputado Silvio Torres e o secretário de Logística e Transporte, Duarte Nogueira, presidente do partido em São Paulo.

Quando começou a montar sua estratégia para disputar o Palácio do Planalto em 2014, Aécio Neves se aproximou dos tucanos paulistas e alcançou a hegemonia no partido. Em nome da unidade partidária em torno da eleição presidencial, Alckmin não se opôs ao movimento de Aécio. Sua prioridade foi reeleger-se em São Paulo, o que aconteceu. Como presidente reeleito do PSDB, Aécio será o responsável por fazer a montagem dos palanques municipais das capitais no ano que vem.

Um comentário:

  1. Sinto muito, tenho grande respeito e admiração pelo Geraldo Alckmin mas, se não aparecer nenhum "escândalo" do Aécio ou fazer alguma bobagem como o Sen. Álvaro Dias até às eleições, ele é o candidato que tem chances de ganhar do PT. Não podemos ter ilusões. Lembra quando o Serra foi candidato em 2010? Eu sabia que ele não tinha nenhuma chance e não entendia pq o PSDB insistia tanto, parecia que tinha um acordo pra perder. Nem é uma questão de trabalho, competência não, é o discurso que faz arrepiar que o Aécio tem, que o povo quer..... De qualquer maneira, continuamos nesta luta pra tirar o PT do poder.

    ResponderExcluir