Oposição pede criação de CPI dos Fundos de Pensão na Câmara


No requerimento protocolado nesta noite, PSDB, DEM, PSB e PPS pedem para apurar os indícios de aplicação incorreta dos recursos e de manipulação na gestão de fundos de previdência complementar de funcionários de estatais e servidores públicos

DAIENE CARDOSO - O ESTADO DE S. PAULO


Com 186 assinaturas de apoio, a oposição protocolou nesta quarta-feira, 22, na Câmara dos Deputados o pedido de criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Fundos de Pensão. Apenas PT e PCdoB não assinaram o requerimento.

Atualmente, quatro CPIs já funcionam na Casa, entre elas a comissão que investiga o esquema de corrupção na Petrobrás. Regimentalmente só cinco CPIs podem funcionar simultaneamente e a oposição protocolou na semana passada o requerimento para investigar os financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Social e Econômico (BNDES). Os oposicionistas acreditam que as CPIs do BNDES e dos Fundos de Pensão poderão ser acolhidas seja pela vaga regimental (em mais quatro meses as CPIs em funcionamento poderão ser concluídas, abrindo novas vagas) ou pela aprovação de um projeto de resolução no plenário que permita que uma delas fure a fila. 

No requerimento protocolado nesta noite, PSDB, DEM, PSB e PPS pedem para apurar os indícios de aplicação incorreta dos recursos e de manipulação na gestão de fundos de previdência complementar de funcionários de estatais e servidores públicos supostamente ocorridas entre 2003 e 2015. Eles lembram que os fundos de pensão administram R$ 452 bilhões e que haveria suspeita de manipulação na gestão e administração fraudulenta dos recursos dos fundos de pensão, além de indícios de ramificações do esquema do doleiro Alberto Yousseff na gestão de fundos de previdência complementar.

Entre os alvos da investigação parlamentar estão a Fundação dos Economiários Federais (Funcef), a Fundação Petrobrás de Seguridade Social (Petros), a Caixa de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil (Previ) e o Instituto de Seguridade Social dos Correios e Telégrafos (Postalis). Funcionários aposentados dos Correios e da Caixa Econômica ajudaram no trabalho de coleta de assinaturas para a criação da CPI.

Nenhum comentário:

Postar um comentário