Alckmin cria agenda nacional própria no segundo mandato


Governador descola suas posições das de Aécio em assuntos como fator previdenciário e redução da maioridade penal

PEDRO VENCESLAU - O ESTADO DE S. PAULO

Cafezinho. Alckmin emplacou indicações na cúpula tucana

A rotina do Palácio dos Bandeirantes mudou depois que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) tomou posse em janeiro deste ano para mais quatro anos no cargo. Auxiliares do tucano contam que os pedidos de audiência de senadores, deputados federais, governadores e lideranças setoriais nacionais se multiplicaram no segundo mandato. Um assessor direto do governador resume o assédio: “Ele entrou no radar nacional”.

Se entre 2011 e 2014 a agenda era totalmente voltada para dentro, agora ninguém no governo nega que chegou a hora de olhar para fora das fronteiras paulistas. Tratado com absoluta discrição no entorno do governador, o projeto presidencial já é defendido abertamente, e com entusiasmo, por ocupantes de instâncias mais baixas do tucanato paulista.

“Hoje é muito mais natural Geraldo Alckmin ser o candidato do PSDB à Presidência do que o Aécio (Neves, senador e atual presidente do partido), que perdeu (o governo de) Minas Gerais (em 2014)”, diz o vereador Mario Covas Neto, filho do ex-governador Mário Covas e recém-eleito presidente do PSDB paulistano. Discreto, Alckmin evita o tema, mas já opera olhando para o horizonte em direção a Brasília.

Alckmin chancelou a recondução de Aécio à presidência do partido, em julho, seu virtual adversário na disputa pela vaga de candidato ao Planalto em 2018. Mas não sem antes impor nomes de sua confiança para cargos-chave. 

“A nova composição da Executiva terá uma presença mais articulada do governador. São Paulo tem que ter peso na direção condizente com a votação que teve na última eleição”, diz o secretário da Casa Civil de Alckmin, Edson Aparecido, que foi a Brasília ter uma conversa “rápida e tranquila” com Aécio sobre o tema.

O senador mineiro aceitou indicações do governador paulista para postos importantes, como a do deputado Silvio Torres (SP), para a secretaria-geral da legenda, e a do suplente de senador José Aníbal (SP), que presidirá o Instituto Teotônio Viela.

Moderação. A “nacionalização” da agenda de Alckmin segue uma programação descolada do Congresso Nacional e de eventuais polêmicas envolvendo o PSDB. Enquanto Aécio tenta capitalizar a crise do governo radicalizando o discurso e a bancada tucana vota contra medidas tomadas na gestão Fernando Henrique Cardoso, o governador prefere fazer oposição moderada à presidente Dilma Rousseff.

Quando a tese do impeachment da petista ganhou corpo na legenda e passou a ser ventilada por Aécio, uma das primeiras vozes contrárias à iniciativa foi a de Alckmin. “O PSDB não é o partido do quanto pior, melhor”, afirmou, em abril. O governador também se colocou contra o fim do fator previdenciário, mecanismo instituído no governo FHC. Orientados por Aécio, os parlamentares tucanos apoiaram a extinção do cálculo para desgastar Dilma.

Quando o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), passou a patrocinar uma discussão para reduzir a maioridade penal, Alckmin se engajou em uma tese alternativa que já havia apresentado no passado e que ganha força como meio-termo entre os conservadores e os defensores dos direitos humanos. O projeto de lei que modifica o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e o deixa mais rigoroso na punição de adolescentes que cometem crimes hediondos conta com apoio de deputados até do PT. 

Alckmin também converteu-se em líder informal dos governadores. Foi a Brasília diversas vezes defender que os Estados tenham legislação específica para segurança pública, uma nova lei sobre licitações e contratos administrativos e a retomada do processo normal de autorização das operações de crédito e de suas renovações pela União.

Nenhum comentário:

Postar um comentário