Doria vê desigualdade na corrida ao Estado


Pré-candidato do PSDB diz ser injusto França concorrer no cargo, enquanto outros tiveram de renunciar

Resultado de imagem para doria governador

Candidato do PSDB ao governo do Estado, o ex-prefeito de São Paulo João Doria criticou a desigualdade de condições na disputa pela cadeira principal do Palácio dos Bandeirantes. Tanto que, se eleito, prometeu ir ao STF (Supremo Tribunal Federal) para mudar algumas regras eleitorais.

“Não podemos permitir essa desigualdade de condições. Assim que for eleito governador, vou buscar uma alteração na lei que permita equidade entre os candidatos”, argumentou o tucano, em almoço com executivos de empresas filiadas à APJ (Associação Paulista de Jornais), à qual o Diário é associado, quarta-feira, na Capital.

A crítica de Doria tem nome e sobrenome: Márcio França (PSB). Eleito vice-governador na chapa de Geraldo Alckmin (PSDB), França foi alçado ao posto máximo do Estado com a renúncia do tucano, que é pré-candidato do PSDB ao Palácio do Planalto. Enquanto França concorre ao Palácio dos Bandeirantes na cadeira de governador, Doria teve de renunciar ao posto de prefeito de São Paulo para disputar a corrida estadual.

Doria ainda lembrou que Alckmin precisou deixar o governo para disputar o comando do Planalto, e que isso também seria injustiça. “Enquanto Geraldo está afastado para concorrer à Presidência da República, meu adversário, o Márcio Cuba, digo, o Márcio França, não. Ele pode fazer campanha usando a máquina.”

Fonte: Daniel Tossato - Diário do Grande ABC

Nenhum comentário:

Postar um comentário