Bruno Covas usa cargos da prefeitura para criar uma nova geração tucana


Gestão paulistana mantém relação próxima com a Juventude do PSDB

Arthur Rodrigues e Guilherme Seto - Folhade S.Paulo

Bruno Covas com membros da Juventude do PSDB 
Divulgação/Facebook

Atravessado por um momento de trepidação, com a evasão de figuras tradicionais consagradas, o PSDB aposta em Bruno Covas, 38, como via de renovação do tucanato. E o prefeito de São Paulo tem utilizado os cargos da gestão municipal para forjar novos quadros para o partido.

A gestão Covas tem mantido relação próxima com a Juventude do PSDB, contratando para o seu gabinete figuras que ele considera promissoras para o futuro do partido. Alguns deles, inclusive, têm assumido posições relevantes na administração municipal e têm participado ativamente da elaboração de diretrizes do mandato.

Em comparação com o antecessor João Doria, também do PSDB, Covas não só se cerca de mais jovens como dá mais poder a eles. Enquanto o tucano tem dois secretários-executivos com menos de 30 anos, Doria não tinha ninguém nesses cargos.

A Folha analisou dados de funcionários comissionados de Doria e de Covas em junho deste ano e no mesmo mês do ano passado. 

De 59 comissionados do gabinete de Covas, 19 são jovens com no máximo 30 anos. As mais jovens são duas assessoras de 22 anos. 

A idade média é de 38,6 anos. A idade média do gabinete de Doria era similar, de 39 anos, mas havia menos jovens de até 30 anos (13) e nenhum deles do primeiro escalão. 

As mulheres são maioria entre os que atuam junto a Covas, um total de 32. A representatividade na questão de cor, porém, deixa a desejar: 78% são brancos.

Gustavo Garcia Pires e Lucas Sorrillo, ambos com 26 anos, são os dois secretários-executivos de Covas que vieram das fileiras juvenis do PSDB. Os secretários-executivos são as figuras mais próximas do prefeito e participam da definição das prioridades da gestão e do acompanhamento da evolução dos projetos.

Próximo de Covas, Gustavo tem atraído para as fileiras do partido nos últimos anos um grupo de colegas de faculdade do curso de direito da faculdade Mackenzie. Desde o início da gestão, Covas os tem chamado para trabalhar com ele, seja na Secretaria de Prefeituras Regionais, na Casa Civil, no gabinete de vice-prefeito ou, agora, no de prefeito.

Sorrillo é presidente estadual da Juventude do PSDB e foi nomeado no começo do mês.

A afinidade de Covas com o tucanato imberbe pode ser entendida também pelo viés de sua trajetória: ele já foi presidente estadual e nacional do grupo.

“Renovação não é só idade, mas também modo de pensar. Somos pessoas antenadas e que olham para o futuro. Trazemos a convivência com a tecnologia, em meio a qual nascemos. O Mário Covas criou o serviço incrível do Poupatempo, por exemplo, que hoje poderia ser repensado, já que a inteligência artificial conseguiria suprir 70% do serviço”, diz o deputado estadual Cauê Macris, 35, presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo e também expoente da nova geração.

Para Ramirez Lopes, presidente da Juventude do PSDB da capital paulista, Covas oxigena o partido ao dar experiência administrativa a quadros mais jovens. 

“Vivemos um tempo no qual a palavra ‘novo’ é bradada por todos, mas que novo é este? Na minha opinião, além de uma postura e olhar pra administração oxigenados, o novo tem que ser preparado e ter a mínima experiência”, afirma. 

Recentemente, o grupo promoveu uma ação para que um jovem passasse um dia com Covas na prefeitura. Um dos requisitos era curtir a página da Juventude do PSDB paulistano, o que causou polêmica com a oposição, que acusou o governo de usar a máquina em benefício do partido.

Para Fábio Lepique (PSDB), 45, que também é secretário-executivo na prefeitura, a mocidade do partido traz a “capacidade de diálogo com setores da sociedade paulistana que antes não conversavam e que agora contribuem com as políticas públicas”.

“Cachorro que não tem a cara do dono você sabe que é roubado, e eles têm a característica do diálogo, que é a do Bruno. Vemos agora as pessoas da economia criativa, dos mais de 400 blocos de Carnaval , do mundo dos bares, uma efervescência do diálogo que alguns dos nossos líderes mais antigos não cultivavam”, afirma. “É um novo diálogo com a sociedade.”

O cientista social Marco Antonio Teixeira, da FGV, afirma que a proximidade de Covas com jovens pode até ser atraente, mas não necessariamente trará renovação do partido. 

“Eu não apostaria que a renovação se dê por abrir espaços na gestão. Acho que a renovação se dá se você começa a fazer com que pessoas novas tenham mais voz dentro do partido”, diz. 

Ele afirma que não há indício que o PSDB caminhe nesse sentido de renovação. “Não há nenhum sinal no PSDB de que está havendo a criação de espaços para novas lideranças. O Bruno Covas, apesar de ser novo, não é uma nova liderança no partido. Vem de alguém cuja família já tem uma tradição no partido”, diz.

Procurada pela Folha, a prefeitura enviou nota em que afirma que “os profissionais têm formação compatível com as funções desempenhadas e foram escolhidos pela confiança do prefeito em sua capacidade de realização”. 

“Não há qualquer outro objetivo nas nomeações além do cumprimento dos deveres como servidores. A composição do gabinete é diversa e a mescla de perfis distintos, como juventude e experiência, dá equilíbrio à equipe.”


Mulheres e brancos são maioria com Covas

59 são os comissionados no gabinete do prefeito

32% são jovens de no máximo 30 anos

38,6 é a idade média dos comissionados

54% são mulheres

78% são brancos

1,7% são pretos

Nenhum comentário:

Postar um comentário