"O compromisso do PSDB não é com Temer. É com o Brasil", artigo de Welbi Maia



O compromisso do PSDB é com o Brasil

Resultado de imagem para psdb a favor do brasilNos últimos 29 anos, desde a fundação do PSDB, o partido é cobrado pela imprensa a apresentar soluções imediatas para as crises que o país enfrenta. E os tucanos nunca se negaram a fazê-lo. Mas para isso, sempre discutiu profundamente. 

Por ter nascido com um grande número de lideranças nacionais, é natural que haja no PSDB uma diversidade, muito salutar, de opiniões e soluções. Muito diferente da maioria dos partidos que tem um ou dois caciques que decidem tudo pela legenda. E essa pluralidade de ideias sempre foi mal compreendida pela imprensa. Por essa falta de compreensão, alguns costumam dizer que os tucanos “estão em cima do muro”, ou que o partido está “rachado”. Foi assim na discussão da participação ou não no governo Collor e na votação da emenda pela reeleição. Havia pessoas a favor e contra. Mas discutiram e saíram sempre unidos com uma só posição.

Se não é perfeito, o processo de democracia interna dentro do PSDB existe. Muito diferente da maioria dos partidos em que tudo é decidido por uma pessoa ou por um pequeno grupo de dirigentes.

Divergir do rumo a tomar não é racha. É parte do processo democrático de decisão. Como também não é ficar “em cima do muro” aguardar o momento adequado para definir uma posição. Isso mostra maturidade e responsabilidade de seus dirigentes. 


Apoio às reformas

Ao rejeitar afastamento imediato do governo Temer, o PSDB mostra-se responsável e comprometido com o país. Sair neste momento mostraria oportunismo. Como o governador Geraldo Alckmin sempre deixou bem claro que a participação do PSDB no atual governo só deveria se dar caso fosse embasado em propostas que viessem a ajudar a tirar o país da crise que o PT e Dilma deixaram. A discussão nunca foi balizada em cargos.

O partido aceitou participar do governo Temer que propunha fazer as importantes reformas que o Brasil precisa e a transição entre o desastre deixado pelos governos lulopetistas e as eleições de 2018. 

Vários tucanos colaboram com o atual governo nos mais diversos escalões. E realizam um trabalho de reconstrução do país. E os resultados já aparecem. Está sendo assim no Ministério das Cidades, com as mudanças no programa Minha Casa, Minha Vida, no Ministério da Educação, com a nova base curricular do Ensino Médio e o realinhamento da política externa feito no Ministério de Relações Exteriores.

Portanto, sair neste momento seria, além de irresponsável, pois pode paralisar as reformas e todas estas mudanças. Jogaria o PSDB na “vala comum” daqueles políticos e partidos que agem conforme a situação lhe convém, visando as próximas eleições. Apenas para ficar de bem com a imprensa e parte da opinião pública para obter dividendos eleitorais em curto prazo. Assim como faz Marina Silva, que só se posiciona quando lhe convém e nunca participa de nada para não se comprometer e poder em campanha criticar.

O PSDB tem compromisso com o Brasil, não com o presidente Michel Temer. Sua saída deve se dar somente se o presidente perder a governabilidade ou se não for mais possível dar continuidade às mudanças que estão sendo implementadas.



*WELBI MAIA é publicitário e editor do Blog do Welbi

Nenhum comentário:

Postar um comentário