PSDB-SP quer eleição interna para garantir democracia no partido


Aliados do governador Geraldo Alckmin citam ‘democracia interna’ ao promover disputa pelo comando estadual; em dezembro, senador mineiro teve mandato da presidência nacional da legenda prorrogado até maio de 2018

Pedro Venceslau e Julianna Granjeia - O Estado de S.Paulo

A imagem pode conter: 3 pessoas
O presidente do PSDB-SP deputado Pedro Tobias em encontro com tucanos paúlistas

Para se contrapor à decisão da Executiva Nacional do PSDB de prorrogar os mandatos dos dirigentes nacionais e estaduais por mais um ano, aliados do governador Geraldo Alckmin querem promover uma eleição interna para eleger a nova cúpula. 

O presidente do partido em São Paulo, deputado estadual Pedro Tobias, convocou uma reunião para segunda-feira, 9, na qual pretende abrir o processo. “Isso será uma mensagem para a militância de que em São Paulo há democracia interna. Vou abrir mão de permanecer no cargo”, disse ele ao Estado. O mandato de Tobias termina em junho e ele poderia disputar novamente. 

No dia 15 de dezembro do ano passado, o senador Aécio Neves (MG) conseguiu o apoio da maioria da cúpula partidária para prorrogar até maio de 2018 o próprio mandato como presidente nacional do partido. A medida se estendeu aos dirigentes estaduais, mas não aos municipais. 

A manobra surpreendeu os aliados de Alckmin, que votaram contra. Com a prorrogação, Aécio estará no comando da máquina tucana no momento de montar o palanque do PSDB à Presidência em 2018. 

Estímulo. O Palácio dos Bandeirantes está estimulando possíveis postulantes ao comando do partido em São Paulo que são ligados ao governador. A escolha da nova executiva paulista é considerada pelos tucanos como mais uma demonstração do controle que o governador exerce sobre a máquina partidária no Estado. 

Além de Alckmin e Aécio, o ministro das Relações Exteriores, José Serra, também é cotado para a vaga de candidato presidencial. Com a vitória de João Doria para a Prefeitura de São Paulo, no entanto, o governador isolou o grupo político do chanceler no Estado. 

Correligionários de Alckmin não descartam, porém, a possibilidade de ele deixar a legenda e migrar para o PSB caso não consiga viabilizar sua candidatura. Se isso ocorrer, o PSDB correria o risco de perder o apoio de grande parte dos prefeitos paulistas. 

Três nomes já se apresentaram para comandar o diretório: o prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa, o secretário estadual de Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro, e o deputado federal Miguel Haddad. Todos são afinados com o projeto presidencial de Alckmin. 



Um comentário: