Governador Geraldo Alckmin empresta bombas do Cantareira para combater seca no Nordeste


Governador assinou nesta segunda-feira (26) termo de cessão temporária de conjunto de bombas para ajudar no abastecimento da Paraíba e Pernambuco

Alckmin discursa sobre necessidade de colaboração para superar momentos de dificuldades
Foto: Ciete Silvério

O governador Geraldo Alckmin assinou nesta segunda-feira, dia 26, no Palácio dos Bandeirantes, termo de empréstimo de bombas para combater a seca nos estados da Paraíba e Pernambuco. O equipamento, que consiste em quatro conjuntos de bombas flutuantes, cada um com capacidade de bombear até 2.000 litros de água bruta por segundo, será cedido ao Ministério da Integração Nacional. O evento contou com as presenças do secretário de Saneamento e Recursos Hídricos do Estado de São Paulo, Benedito Braga, do presidente da Sabesp, Jerson Kelman, do ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, da vice-governadora da Paraíba, Lígia Costa Feliciano e o presidente da Compesa, Roberto Cavalcanti Tavares.

“São Paulo passou por uma seca muito dura há três anos. Superamos, estamos com um sistema maior, melhor, mais preparado. E naquele momento compramos super bombas, com investimento perto de R$ 20 milhões, para poder ter um bombeamento eficaz e utilizar as chamadas reservas técnicas”, lembrou Alckmin. “Não estamos mais utilizando e o nordeste passa por uma seca que é a maior do século, não só no sertão, mas também no agreste”, comentou.

As bombas, utilizadas para captação das reservas técnicas do Sistema Cantareira durante a crise hídrica no Estado de São Paulo, serão transportadas para Floresta (PE), no eixo leste do Projeto de Integração do Rio São Francisco, e instaladas dentro do reservatório de Braúnas. De lá, a água captada seguirá para a represa de Mandantes, no mesmo município, chegando a Monteiro, a primeira cidade paraibana a ter o abastecimento reforçado, com cerca de 30,8 mil habitantes.

De acordo com previsão do Ministério da Integração Nacional, o uso das bombas flutuantes deve antecipar em até 25 dias a chegada da água a Monteiro e, na sequência, a Campina Grande, o segundo município mais populoso da Paraíba, com cerca de 400 mil habitantes, que será um dos mais beneficiados. O Estado da Paraíba é um dos mais afetados pelo quinto ano de seca que afeta o Nordeste. As bombas devem entrar em operação já no começo de 2017.

A cessão do equipamento e demais materiais necessários para sua instalação, orçados em R$ 8,26 milhões, será pelo período mínimo de 120 dias, com possibilidade de prorrogação. Não terá qualquer custo aos beneficiados. A Sabesp prestará ainda o apoio técnico necessário para a instalação e a operação das bombas. Além dos quatro conjuntos de bombas flutuantes, cada um com dois motores e potência combinada de 350 cv, a Sabesp vai fornecer a estrutura necessária para sua operação, o que inclui dois conjuntos de motores como reserva, bem como 1.800 metros de tubulação para o transporte da água captada, 1.360 metros de cabos elétricos, inversores de frequência e disjuntores, além de outros itens.

O projeto de instalação de bombas elétricas para captação da água das reservas técnicas foi uma iniciativa fundamental para garantir o abastecimento à população na mais grave estiagem na história do Estado de São Paulo. As bombas permitiram retirar a água localizada abaixo do nível mínimo de captação nas represas do Sistema Cantareira. Foram utilizadas ao todo duas cotas da reserva técnica, que juntas ampliaram em cerca de 29% a capacidade de reservação do Cantareira, que é de 982 bilhões de litros.

Ciete Silvério
Representantes de São Paulo, Pernambuco e Paraíba, entre as quais a vice-governadora da Paraíba, Lígia Feliciano, compareceram à cerimônia

A primeira cota entrou em operação em maio de 2014, após apenas dois meses de obras, a um investimento aproximado de R$ 80 milhões. Inicialmente, foram instalados 17 conjuntos de bombas nas represas Jacareí e Atibainha, permitindo ampliar a capacidade do Cantareira em 182,5 bilhões de litros. Essa cota da reserva técnica foi utilizada durante cerca de um ano e sete meses, até o fim de dezembro de 2015, quando o nível dos reservatórios foi recuperado. A segunda, com captação também na represa Jacareí, no interior paulista, acrescentou 105 bilhões de litros à capacidade de reservação do Cantareira e foi usada entre outubro de 2014 e fevereiro de 2015, quando o nível dos mananciais já estava dando sinais de recuperação e o bombeamento desse volume já não era mais necessário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário