Doria quer ampliar praças com wi-fi e aumentar segurança no uso da rede



Doria quer ampliar praças com wi-fi e aumentar segurança no uso da rede 


RAPHAEL HERNANDES - FOLHA.COM

Resultado de imagem para doria e annenberg
João Doria e Daniel Annenberg

A gestão do prefeito eleito João Doria (PSDB) pretende expandir a rede das praças com "wi-fi livre" da prefeitura. Além da inclusão dos novos pontos, um dos desafios do novo governo nesse projeto será aumentar a segurança do acesso à rede nesses locais.

De acordo com Daniel Annenberg (PSDB), escolhido para a pasta de Tecnologia e Inovação, a estratégia girará em torno de ampliar a rede "o máximo possível", o que será "o grande desafio" da secretaria.

Conexões públicas são, ainda, um tipo de rede particularmente suscetível à ação de criminosos. "Os ataques podem variar desde a infraestrutura provida pelo governo a ser utilizada para efetivação de crimes, até o cidadão ser enganado e se conectar a uma rede 'falsa' de um atacante", diz o especialista em segurança da informação Willian Caprino.

Para atender à demanda por segurança, a gestão Doria informou por meio de sua assessoria que pretende analisar as vulnerabilidades do município e trabalhar com criptografia. Além disso, os profissionais de segurança da informação da prefeitura deverão ser constantemente atualizados.

Todas essas práticas são vistas com bons olhos e recomendadas por especialistas ouvidos pela Folha.


Gestão Doria promete mais praças com Wi-fi livre e monitoramento da conexão
Foto: Jorge Araujo - Folhapress 
 

"Não há nada em definitivo. Estamos discutindo como ampliar o acesso fazendo com que não acessem páginas não adequadas", diz Annenberg.

É o mesmo dilema que enfrentam outras grandes cidades no mundo que oferecem a conexão livre. Em Nova York, a LinkNYC, que instalou totens com tablets embutidos levando internet grátis pela cidade, teve que retirar a função de navegadores web de seus sistemas. Segundo o jornal "New York Post", eles eram usados para assistir a pornografia –o que, legalmente, não seria um problema se o ato não fosse, muitas vezes, acompanhado de masturbação em público.

"Nós sabemos que alguns usuários estão monopolizando os tablets e usando de maneira inapropriada, impedindo que outras pessoas os usem", afirma a LinkNYC em nota que explica a remoção dos navegadores de seus tablets. A empresa pede apenas um e-mail do usuário para liberar o acesso à rede e assegura que as informações não serão vendidas ou compartilhadas com terceiros.

Barcelona, assim como a cidade americana é referência no assunto, e optou por bloquear determinados conteúdos em seus "hotspots". Além de pornografia e de material criminoso, são bloqueadas operações diferentes de navegar na web, como fazer ligações pela internet e downloads em serviços de "torrent".

Algumas redes públicas, como as de aeroportos, optam por não cercear a informação, mas pedem que o usuário faça um cadastro antes de usar. Dessa forma, se algo ilícito é cometido, teoricamente seria possível rastrear o culpado.

De acordo com a gestão Fernando Haddad (PT), a Prefeitura de São Paulo atualmente não faz nenhum tipo de controle ou de monitoramento dos conteúdos acessados. Nos três anos de existência do programa, não chegou à coordenadoria responsável qualquer denúncia de crimes virtuais usando essa rede.



Nenhum comentário:

Postar um comentário