Lula sabia da corrupção na Petrobras, diz Delcídio ao Ministério Público


FLÁVIO FERREIRA, ESTELITA HASS CARAZZAI - FOLHA.COM

Resultado de imagem para LULA DELCIDIO

Em depoimento ao Ministério Público Federal, o ex-senador Delcídio do Amaral (ex-PT, hoje sem partido) afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sabia do esquema de corrupção na Petrobras.

As declarações, segundo apurou a Folha, foram dadas nesta quinta-feira (1º) aos procuradores da Operação Lava Jato em Curitiba, responsáveis pelos inquéritos contra o ex-presidente —que estão em fase final de apuração.

Segundo o ex-senador, atual delator da Lava Jato, Lula considerava que a arrecadação propiciada pelos contratos da Petrobras colaborava para manter a governabilidade nos mandatos petistas.

Delcídio foi líder da bancada do PT no Senado no governo do ex-presidente e, depois, líder do governo de Dilma Rousseff no ano de 2015.

Ele afirmou que Lula tinha contato direto com alguns diretores da Petrobras, sem intermediários -tal como o ex-diretor Renato Duque.

O petista teria ficado preocupado com as investigações da Lava Jato a partir da sua sétima fase, quando os principais empreiteiros do país foram presos preventivamente, em novembro de 2014.

O ex-senador ainda declarou que o sítio de Atibaia (SP), um dos objetos das investigações contra o ex-presidente, era referido como propriedade de Lula por amigos e aliados próximos.


INQUÉRITOS

A oitiva do ex-senador, conduzida especialmente para subsidiar os inquéritos que investigam Lula, durou cerca de quatro horas.

Além dele, o ex-deputado Pedro Corrêa (ex-PP-PE), outro delator da Lava Jato, também prestou depoimento aos procuradores nesta quinta.

Em sua delação, Corrêa já afirmou que o ex-presidente discutia pessoalmente o esquema da Petrobras e articulou a nomeação de Paulo Roberto Costa como diretor da área de Abastecimento -na qual foram descobertos desvios de verbas milionários.

Lula é alvo de três inquéritos na Lava Jato, sob suspeita de ocultar a propriedade de um tríplex no Guarujá, de um sítio em Atibaia (SP) e de se beneficiar de dinheiro de origem ilícita ao dar palestras pagas por empreiteiras.

O petista já foi indiciado no inquérito que investiga o tríplex no litoral paulista, sob suspeita de corrupção passiva, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro.

Os outros procedimentos continuam em andamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário