Doria dá salto meteórico na reta final


Aposta de Alckmin, candidato tirou R$ 2,4 milhões do próprio bolso


SÍLVIA AMORIM - O GLOBO

Resultado de imagem para joão doria psdb
De desconhecido do eleitorado, Doria foi apontado na última pesquisa do Datafolha como um dos favoritos para 2º turno


Em 40 dias de campanha, o empresário João Doria (PSDB) fez sua candidatura a prefeito de São Paulo sair da posição de maior desconhecida na disputa para uma das favoritas ao segundo turno. Como o slogan da campanha, “Acelera SP”, o tucano partiu dos 5% de intenção de voto na primeira pesquisa Datafolha, em agosto, para 25% quinta-feira. A performance colocou Doria, pela primeira vez, no primeiro lugar. O cenário é de empate técnico com Celso Russomanno (PRB) e Marta Suplicy (PMDB).

Quatro fatores são apontados por adversários e analistas políticos para a ascensão meteórica do tucano, novato em eleições: maior tempo de propaganda no horário eleitoral, discurso antipolítico e anti-PT, fragmentação das candidaturas de esquerda e dinheiro para pagar a própria campanha.

Doria é o candidato mais rico da eleição, com patrimônio declarado em R$ 180 milhões. Mais da metade dos recursos arrecadados veio do bolso dele: R$ 2,4 milhões. E o tucano tem a campanha mais cara — R$ 13 milhões, até sexta-feira. Isso dá a Doria uma larga vantagem numa eleição em que o financiamento está escasso após a proibição de doação de empresas. Não foi à toa que a questão financeira foi um dos fatores que convenceu o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, a investir pesado em Doria como nome do PSDB, contrariando caciques do partido.

Para o cientista político Humberto Dantas, Alckmin é o grande patrocinador do crescimento de Doria.

— Ele não mediu esforços em fazer uso das estruturas públicas para viabilizar a candidatura do afilhado político. Foi Alckmin quem garantiu a Doria a maior coligação da eleição e o maior tempo de TV. Numa eleição curta, isso tem se mostrado decisivo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário