Metrô reinicia as obras da Linha 4-Amarela


Segunda fase de construção acrescentará mais quatro estações à linha que vai da Luz à Vila Sônia


O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira, 12, a retomada das obras da segunda fase da Linha 4-Amarela. A conclusão compreende as estações Higienópolis-Mackenzie, Oscar Freire, São Paulo-Morumbi e Vila Sônia.

“A obra foi relicitada, cumprimos todas as etapas, assinamos o contrato e hoje estamos retomando simultaneamente as obras das quatro estações”, explicou Alckmin, ressaltando que o contrato atual teve desconto de 32%.

O contrato assinado com o Consórcio TC-Linha 4-Amarela, formado pelas empresas TIISA e COMSA, também inclui a continuação das obras de ampliação do Pátio Vila Sônia e de implantação do terminal de ônibus Vila Sônia, além da construção de dois quilômetros de vias em túneis. O valor para execução destes trabalhos é de R$ 858.743.546,73.

“A linha 4 é importantíssima, sai da Luz e vai até a Vila Sônia, divisa com Taboão da Serra. Já temos operando muitas estações e faltam quatro”, explicou Alckmin. “Lamentavelmente, o consórcio que venceu a licitação para construção das quatro estações abandonou a obra. Tentamos de todo jeito retomar, mas não houve possibilidade”, disse o governador, destacando a multa que o consócio sofreu como sanção, além de dois anos proibido de participar de licitações com o Estado.

Com a retomada dos trabalhos, o consórcio tem o seguinte cronograma para concluir as obras civis: 12 meses para concluir a estação Higienópolis-Mackenzie; 15 meses para a estação Oscar Freire; 18 meses para a estação São Paulo-Morumbi; 36 meses para a estação Vila Sônia e o terminal de ônibus integrado; e 14 meses para a complementação do Pátio.

Alckmin reforçou a importância da criação de empregos por meio da construção civil, especialmente neste momento de crise que o Brasil atravessa. “Temos hoje 250 trabalhadores já nestas quatro estações. Vamos terminar o ano perto de 500 trabalhadores e, no ano que vem, no pico da obra, chegaremos a mil pessoas trabalhando apenas na linha 4”, disse. Ao todo, são 13,5 mil empregos diretos em todas as frentes de trabalho das linhas em expansão.

Iniciadas em 2012, as obras da segunda fase da Linha 4-Amarela estavam sob execução do Consórcio Corsán-Corvian, em contrato assinado no final de 2011. Em julho de 2015, o Metrô rescindiu unilateralmente o acordo, pelo não cumprimento por parte da construtora. Também foram aplicadas ao Consórcio multas que podem chegar ao valor de R$ 23 milhões. No período em que a Corsán foi responsável pelas obras, a estação Fradique Coutinho foi concluída e passou a funcionar em novembro de 2014.

Quando completa, a Linha 4-Amarela vai operar de Luz a Vila Sônia, com um total de 14 km, 11 estações e demanda diária de 981 mil pessoas. A linha opera em horário integral desde 2011, com 9 km e 7 estações, de Luz a Butantã e, atualmente, transporta cerca de 700 mil pessoas por dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário