Rejeitado: Haddad é aprovado por só 14% dos eleitores


FELIPE BÄCHTOLD - FOLHA.COM


Apenas 14% dos moradores de São Paulo aprovam a gestão do prefeito Fernando Haddad (PT), de acordo com pesquisa do Datafolha. Em levantamento do instituto feito entre a terça (12) e a quarta-feira (13), 48% dos entrevistados disseram considerar ruim ou péssima a administração do prefeito, que vai tentar a reeleição.

Para 35% dos eleitores ouvidos, o desempenho dele à frente da prefeitura é regular. Os índices são parecidos com a pesquisa anterior feita pelo Datafolha, em novembro de 2015. Naquela ocasião, a aprovação era de 15% e a reprovação, de 49%.

A porcentagem de moradores que aprovam a administração do petista, porém, atingiu o número mais baixo do mandato. Logo após a crise gerada pelas manifestações de junho de 2013, em que Haddad foi um dos principais alvos, o índice de ótimo/bom da gestão era de 18%.

Agora, a nota média dada para a administração municipal é de só 3,9. Seu melhor resultado foi 5,9 em 2013. Entre os entrevistados com escolaridade de nível superior, a aprovação ao prefeito sobe para 20%.

Entre os jovens de 16 a 24 anos, seu desempenho também melhora –o índice de ótimo/bom passa para 18%. O petista deve enfrentar na campanha eleitoral as consequências do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, que pode ter seu desfecho cerca de um mês antes da eleição.

O apoio ao afastamento de Dilma neste ano, na população brasileira, esteve sempre em índices na casa dos 60%, de acordo com levantamentos do Datafolha. De olho na eleição municipal, Haddad procurou manter distância da crise política nacional, embora tenha comparecido, ao lado do ex-presidente Lula, a um dos atos pró-Dilma na avenida Paulista, em março.

Na ocasião, discursou em defesa de Lula, que havia sido alvo na época de uma fase da Operação Lava Jato.


POLÊMICAS

O índice de aprovação é o mais baixo para esse período do mandato desde a gestão de Celso Pitta (1997-2000), que tinha 7%. Gilberto Kassab, hoje no PSD, chegou a ter 10% de aprovação após assumir o cargo, em 2006.

Ao longo de sua gestão, Haddad se envolveu em controvérsias que geraram desgaste, como aumentos na tarifa do transporte público e a redução nos limites de velocidade em grandes vias. Também enfrentou acentuada crise na arrecadação.


GRAU DE SATISFAÇÃO

O Datafolha também pesquisou o quanto os entrevistados estão satisfeitos por morar em São Paulo e a nota que dão para a cidade.

Os índices caíram na comparação com anos anteriores. Em abril de 2013, última ocasião em que a pergunta tinha sido feita, os "muitos satisfeitos" somavam 44% –hoje são apenas 24%. Naquela época, antes das crises política e econômica, o prefeito estava no início de seu mandato.

A nota média para São Paulo, que há três anos era 7, atualmente está em 5,7. A margem de erro máxima é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. (FB)

Nenhum comentário:

Postar um comentário