Conselho de Ética aprova por 11 a 9 parecer que pede cassação de Cunha


Tia Eron vota a favor do relatório; considerado aliado, Wladimir Costa vota contra deputado afastado

ISABEL BRAGA E MARIA LIMA - O GLOBO


O Conselho de Ética aprovou, nesta terça-feira, por 11 a 9, o parecer que pede a cassação do presidente da Câmara afastado, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Considerada o voto decisivo, Tia Eron votou a favor do relatório e foi aplaudida pelo presentes na sessão. Aliado de Cunha, o deputado Wladimir Costa (SD-PA) mudou de opinião e surpreendeu ao votar contra o presidente afastado. Agora, o processo vai para o plenário da Câmara, onde será votado pelos parlamentares.
Votaram a favor do relatório os deputados Paulo Azi (DEM-BA), Tia Eron (PRB-BA), Wladimir Costa (SD-PA), Léo de Brito (PT-AC), Valmir Prascidelli (PT-SP), Zé Geraldo (PT-PA), Betinho Gomes (PSDB-PE), Júlio Delgado (PSB-MG), Nelson Marcehzan Júnior (PSDB-RS), Sandro Alex (PSD-PR), Marcos Rogério (DEM-RO).

Votaram contra os deputados Alberto Filho (PMDB-MA), André Fufuca (PP-MA), Mauro Lopes (PMDB-MG), Nelson Meurer (PP-PR), Sérgio Moraes(PTB-RS), Washington Reis (PMDB-RJ), João Bacelar (PR-BA), Laerte Bessa (PR-DF), Wellington Roberto (PR-PB).

O deputado Carlos Marun, um dos mais fiéis aliados de Cunha, admitiu que está "perdido" após a derrota no Conselho de Ética. Ele afirmou não ter conversado ainda com o presidente afastado, mas irá à residência oficial do presidente da Câmara na noite desta terça-feira.

— Não sei o que fazer agora, confesso que estou perdido — disse, com semblante abatido.

O voto sim da deputada Tia Eron (PRB-BA) garantiu a aprovação do relatório do deputado Marcos Rogério (DEM-RO) pela cassação do mandato do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Depois de fazer um discurso duro contra o PT e defender Cunha por ter aceito pedido de impeachment contra Dilma Rousseff, o deputado Wladimir Costa (SD-PA) também votou pela cassação e o relatório foi aprovado.

Tia Eron começou sua fala dizendo que não era uma estrela. Criticou a mídia e, finalizou anunciando o voto sim ao relatório que pede a cassação de Cunha.

— Precisamos ressignificar este conselho. Na minha consciência reside a verdade, Meu partido, que foi colocado no imaginário balcão onde a chantagem seria troca de votos, lá não se faz isso não, nossa política é diferente. Votei pelo impeachment, fui hostilizada pelas mulheres. Eu não posso absolver o representado: voto sim — disse Tia Eron.

Houve aplausos de manifestantes que estavam no local. Ao final, quando o presidente do conselho, José Carlos Araújo (PR-BA), anunciou o resultado, manifestantes gritaram "Fora Cunha". Deputados levantaram cartazes onde de lia "Antes tarde do que nunca".

Aliados de Cunha do PR mantiveram o voto pela salvação dele e criticaram Costa.

— Ele não mentiu. Não vou me acovardar igual ao Wlad (Wladimir Costa). Voto não ao relatório —afirmou o deputado Laerte Bessa (PR-DF)

Os peemedebistas também mantiveram o apoio a Cunha.

— Não devo favores a Cunha, não tenho cargos, nada. Não confundam conta jurídica com conta física. O relator não provou que existe conta física — disse Mauro Lopes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário