"O rei da improvisação", editorial do Estadão


O Estado de S.Paulo


O prefeito Fernando Haddad parece determinado a bater o recorde de improvisação, que se tornou desde o início uma marca nada honrosa de seu governo. Ao contrário do que se espera dos administradores públicos, cujas ações devem ser baseadas, sempre, em planejamento, ele não para de tomar medidas sem base em estudos técnicos, atabalhoadamente, como se governar a maior cidade do País e seu principal centro econômico fosse uma brincadeira e seus atos não tivessem sérias consequências para a população.

O exemplo mais recente disso, que bem mostra tal comportamento irresponsável, foram as mudanças de trânsito feitas pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) na Avenida Brigadeiro Luís Antônio no último fim de semana. Foi eliminada uma das três faixas no sentido centro e acrescentada uma em direção ao bairro dos Jardins, por onde antes só circulavam ônibus. Com isso, no trecho entre as Ruas Groenlândia e dos Ingleses, aquele via foi divida ao meio: os dois lados têm agora uma faixa para carro e outra para coletivos. Antes, apenas ônibus podiam trafegar no sentido bairro.

Segundo a Prefeitura, a medida tem o objetivo de reduzir o índice de acidentes naquela via, onde, segundo a CET, foram registrados 116 atropelamentos entre 2013 e o ano passado. Como se alcançará o resultado pretendido, por esse meio, é coisa que Haddad não se deu ao trabalho de explicar, como se não devesse uma satisfação minimamente convincente a todos os afetados pela providência.

Afinal, como não era difícil de prever, a mudança provoca congestionamento e os motoristas que trafegam por essa via, no sentido centro, estão gastando uma hora para percorrer pouco mais de três quilômetros, o que antes era feito em menos de 20 minutos. Eles se queixam tanto da demora como da proibição de conversões como a que antes permitia acesso à Alameda Lorena. Outra reclamação, insistente nos primeiros dias, era contra a falta de aviso com antecedência das alterações feitas, mais um elemento que demonstra improvisação e pressa.

O total desprezo pelos paulistanos que estão sofrendo as consequências da mudança ficou bem expresso na resposta de um agente da CET a uma motorista que reclamava, registrada pela reportagem do Estado: “O mundo muda, senhora”. É verdade – ele estava muito melhor antes dos demagógicos malabarismos que Haddad, sem um pingo de senso do ridículo, tem o desplante de apresentar como uma “revolução” na mobilidade urbana.

Mais ainda que a insensibilidade ao ridículo, que pode ser fatal a um homem público, o que choca no prefeito é a falta de pudor com que expõe, como se fosse a coisa mais natural do mundo, a improvisação – melhor seria dizer o vai da valsa – que rege os atos de seu governo. Em entrevista à Rádio Estadão, Haddad tentou tranquilizar os afetados por ela dizendo que a mudança feita ainda pode ser revista: “Vai causar transtorno na primeira semana? Não tem dúvida. Agora, a gente monitora e mede. Deu certo? Mantém. Se não deu certo, revê o projeto. São alterações simples”.

Para o prefeito os paulistanos são cobaias. Em vez de planejar suas medidas “revolucionárias”, ele as improvisa e submete a população a seus experimentos: se der certo, elas prosseguem, em caso contrário são mudadas. Pouco lhe importa o alto preço que os paulistanos pagam por isso.

O caso da Avenida Brigadeiro Luís Antônio é café pequeno perto da licitação para a escolha dos novos concessionários do serviço de ônibus, um negócio de R$ 166 bilhões pelo prazo de 20 anos. O Tribunal de Contas do Município (TCM) suspendeu por 10 dias a abertura do processo, para que a Prefeitura se manifestasse sobre uma centena de recomendações e de questões obscuras. Um projeto mal feito, portanto. Haddad reagiu como agora: “Era previsível. Nós podemos contar com auditores experientes do TCM que vão apontar aperfeiçoamentos possíveis”. Foi como se dissesse: fiz às carreiras e vocês corrigem que aceito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário