Datafolha: Apenas 15% dos paulistanos aprovam Haddad, entre os mais pobres, só 12%


EDUARDO SCOLESE - FOLHA.COM


A um ano da disputa pela reeleição, o prefeito Fernando Haddad (PT) enfrenta a pior avaliação de sua gestão, iniciada em janeiro de 2013.

Segundo pesquisa Datafolha realizada na semana passada, 49% dos paulistanos reprovam a atual administração da cidade de São Paulo, considerando-a ruim ou péssima.

Outros 34% consideram a gestão regular e apenas 15% a avaliam como ótima ou boa.

Numericamente, é a pior marca de Haddad, acima dos 47% de julho de 2014 e dos 44% de fevereiro passado, data da pesquisa anterior.

Todas essas taxas, porém, estão dentro da margem de erro do levantamento, que é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

A avaliação não é a pior que um prefeito já obteve em São Paulo –Celso Pitta encerrou sua gestão, no ano 2000, reprovado por 81%.

No caso de Haddad, a baixa aprovação, com pequenas oscilações, se repete desde os protestos de junho de 2013. Desde então, o prefeito não conseguiu se recuperar.

Entre a pesquisa de fevereiro e a de agora, realizada na quarta (28) e na quinta (29), a gestão pouco avançou nas principais promessas, como creches, corredores de ônibus e moradias populares.

A prefeitura põe a culpa no governo federal, que secou repasses de verbas ao município com a crise econômica –a parceria com a presidente Dilma Rousseff (PT) foi um dos carros-chefes da propaganda eleitoral de Haddad em 2012.

Essa ligação partidária com Dilma, enfraquecida pela crise política e pelo avanço das investigações do petrolão, também pode ter contribuído para a piora na avaliação do prefeito paulistano.

No intervalo de oito meses entre os dois levantamentos, Haddad ainda lançou mão de medidas polêmicas.

Entre elas, estão a redução da velocidade máxima em ruas e avenidas e o fechamento da avenida Paulista para carros aos domingos –essas duas medidas dividiram os paulistanos.

Hoje, Haddad tem um pequeno alívio na avaliação positiva de sua gestão entre os mais jovens (20% na faixa de 16 a 24 anos) e os mais escolarizados (22% entre aqueles com curso superior).

Já a rejeição fica ainda mais dura entre os mais velhos (só 10% daqueles com idade acima de 45 anos aprovam a administração do petista).

A comparação entre faixas de renda revela um problema extra para o prefeito do PT, já que o partido sempre teve na periferia a sua principal base eleitoral na cidade.

Entre os mais pobres (com renda mensal familiar de até dois salários mínimos), a aprovação a Haddad é de apenas 12%, ante 23% entre os mais ricos (renda superior a dez mínimos). Forte na periferia, a ex-prefeita Marta Suplicy (ex-PT e hoje no PMDB) pode ser uma das adversárias de Haddad no ano que vem.

Indagados pelo Datafolha, os paulistanos deram uma nota média de 4,1 ao prefeito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário