Tesoureiro do PT, Vaccari saía com sacolas grandes de dinheiro, afirma empreiteiro


Ricardo Pessoa relata em delação premiada uma longa rotina de propinas para o ex-tesoureiro do PT, que ia buscar valores em espécie na sede da UTC Engenharia

Ricardo Brandt, Mateus Coutinho e Julia Affonso - Estadão

Vaccari está preso em Curitiba. Foto: Geraldo Bubniak/AGB

Em um de seus depoimentos no âmbito da delação premiada que firmou com a Procuradoria-Geral da República, o empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da UTC Engenharia, relatou minuciosamente uma longa rotina de pagamentos de propinas em espécie para o então tesoureiro do PT, João Vaccari Neto. Ele contabilizou os repasses ilegais para o partido, entre 2004 e 2014: R$ 20,52 milhões.

O empreiteiro foi preso em novembro do ano passado na Operação Juízo Final, desdobramento da Lava Jato que derrubou o braço empresarial do cartel que se apossou de contratos bilionários da Petrobrás, entre 2004 e 2014.

VEJA O DEPOIMENTO DE PESSOA SOBRE AS PROPINAS AO PT: 


Para se livrar da prisão, Ricardo Pessoa fez delação. O depoimento em que narra as andanças de Vaccari foi prestado em maio. Ele disse que quem indicou o engenheiro Renato Duque para a Diretoria de Serviços da estatal foi o ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu (Governo Lula).

Duque era o elo do PT no esquema de propinas na Petrobrás, afirmam os investigadores da Lava Jato. Ricardo Pessoa disse que Vaccari o procurava a cada 30 ou 45 dias. Ia na sede da UTC, em São Paulo, em seu carro próprio, uma Santa Fé.

Ricardo Pessoa. Foto: Reprodução

Entrava pela garagem, por isso não ficaram registros de suas frequentes visitas à empreiteira. No entanto, uma empresa contratada por Pessoa conseguiu resgatar imagens do circuito fechado de segurança que mostram o tesoureiro ingressando na empresa.

O vídeo foi entregue à força-tarefa do Ministério Público Federal em Curitiba, base da Lava Jato. Ricardo Pessoa disse que ele próprio é quem preferia receber Vaccari na UTC para ‘não ter que ir à sede do PT’. “Ao sair da UTC com os valores em espécie os levava em sacolas grandes lou em mochilas”, afirmou o empreiteiro. “Todas as vezes em que Vaccari foi buscar dinheiro em espécie havia prévio aviso, seja em reunião anterior ou por meio de mensagem em que Vaccari mencionava que buscaria o ‘pixuleco'”, contou o empreiteiro. Ele disse que ‘não sabe’ porque Vaccari chamava propina de ‘pixuleco’.

Na grande maioria das vezes em que se encontrou com o então tesoureiro do PT, pelo menos 80% dos encontros, “foi para tratar de ‘contribuições’ para o PT.” As visitas de Vaccari eram quase sempre aos sábados. Pessoa disse que ‘deixava algum saldo de propina para perto de campanha (eleitoral), nessa época crescia sempre as solicitações por parte do PT’. Segundo o empreiteiro delator, Vaccari ia para as reuniões na UTC com amplo conhecimento da situação das obras que a empresa tinha contratadas com a Petrobrás. “Ele sabia o que a UTC tinha ganho.”

Ricardo Pessoa disse que Vaccari era ‘PT na testa, sindicalista, um soldado do partido, que queria manter o PT no poder’. Ele disse que “ficava claro que o dinheiro (da propina) entregue para Vaccari era destinado ao PT, ele (Vaccari) era um homem do partido, não acredito que o valor tenha sido destinado para ele próprio”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário