Risco de impeachment de Dilma já bate 45%


Quatro consultorias e analistas políticos elevaram a probabilidade de a presidente Dilma Rousseff sofrer um processo de impeachment

FÁBIO ALVES - FOLHA.COM

Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Em questões de dias, as principais consultorias e analistas políticos elevaram a probabilidade de a presidente Dilma Rousseff sofrer um processo de impeachment.

Por outro lado, investidores e executivos do mercado financeiro também avaliam que o clima a favor do impeachment no Congresso esquentou para a maior temperatura até agora no segundo mandato da presidente, com muitas instituições financeiras já alocando em seus cenários para preços dos ativos brasileiros um risco crescente de Dilma não chegar no cargo até 2018.

A Arko Advice aumentou de 30% para 45% a probabilidade de impeachment da presidente. O Eurasia Group, uma consultoria americana, elevou esse risco de 30% para 40%.

A consultoria Tendências, cujos sócios incluem o ex-ministro da Fazenda Mailson da Nóbrega e o ex-presidente do Banco Central Gustavo Loyola, passou a atribuir 30% para o risco de impeachment, mas considera esse porcentual ainda “conservador”. E a MCM Consultores considera entre 30% e 40% a probabilidade de impedimento da presidente Dilma.

“O principal fator para o aumento do risco de impeachment é a persistência de um quadro de isolamento da presidente Dilma, decorrente da incapacidade na construção de uma base aliada – especialmente na relação do PT com o PMDB – combinado com a falta de governança no plano econômico”, diz o cientista político da consultoria Tendências, Rafael Cortez, em conversa com esta coluna. “Essa combinação cria uma legitimidade ao discurso do impeachment.”

Esse discurso se materializa em alguns aspectos, tais como legal e político.

Para Cortez, do ponto de vista legal, o principal gatilho será o julgamento das chamadas “pedaladas fiscais” nas contas do governo Dilma de 2014 pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

“Do ponto de vista político, outro gatilho pode ser a construção de acordo para uma transição num eventual governo Temer”, argumenta Cortez.

Segundo ele, com a divulgação do relatório do TCU em relação às contas do governo de 2014, esperado para o início de outubro, a discussão de um processo de impeachment ganhará força.

Para o analista político da MCM Consultores, Ricardo Ribeiro, o clima para o impeachment aumentou nas últimas semanas.

“O que está impulsionando o movimento não são as investigações da Lava Jato, o julgamento do TCU ou o PMDB, mas a ideia de que o País está ingovernável, isto é, que a presidente Dilma não vai dar conta de sustentar a governabilidade até 2018″, diz Ribeiro em conversa com esta coluna.

Para ele, o julgamento das contas de Dilma pelo TCU pode ser o detonador mais óbvio.

“Mas para passarmos de 40%, 45% para um cenário majoritário na probabilidade de impeachment precisa, além dos gatilhos óbvios, de uma concertação ou um acerto que ainda não houve entre PSDB e PMDB para acertar as condições do pós-impeachment”, explica o analista da MCM Consultores.

No meio deste caminho, todavia, há obstáculos importantes para um eventual acordo entre PSDB e PMDB, nomeadamente as investigações da Lava Jato e a especulação de que caciques do PMDB, incluindo o vice-presidente, Michel Temer, possam ser citados nas delações de investigados, como o operador Fernando Baiano.

“Houve uma deterioração política muito grande, além de uma piora na economia”, avalia Cristiano Noronha, analista sênior da Arko Advice. “Muitos políticos, que antes não mostravam a cara, agora estão defendendo publicamente o impeachment.”

Segundo ele, a oposição, que lançou um movimento parlamentar pró-impeachment na semana passada, sabe que ainda não tem votos suficientes para aprovar tal processo, mas adotou como estratégia fazer avançar um pedido de impedimento na Câmara e com isso angariar o apoio necessário na sociedade – inclusive da imprensa – para colocar pressão sobre os parlamentares.

“Politicamente, o movimento do impeachment está cada vez mais ganhando corpo no Congresso”, diz Noronha. “E a situação da economia parece que vai piorar no curto prazo, o que torna o ambiente político mais difícil.”

Nesse meio tempo, a melhor oportunidade de reação da presidente Dilma, que é o pacote de medidas fiscais lançado pelo governo como resposta à perda do grau de investimento pela agência Standard & Poor’s, sofre ataques de todos os lados.

O preocupante é que não há, no horizonte de curto prazo, um catalisador que possa reverter a maré negativa contra a presidente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário