Temer diz que Geraldo Alckmin faz um "governo alegre, como devem ser os governos"



No momento em que as bancadas do PSDB na Câmara e no Senado defendem a realização de novas eleições como melhor saída para a crise política, o vice-presidente Michel Temer elogiou o governador tucano Geraldo Alckmin, chamando-o de "governo alegre, como devem ser os governos". Em homenagem recebida no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, Temer disse que o governo Alckmin serve ao povo. "Toda vez que venho aqui ao Palácio dos Bandeirantes eu vejo alegria, especialmente neste auditório", disse Temer ao agradecer a homenagem.

"Estamos todos empenhados na melhoria das condições do nosso País, o governador está empenhado na melhoria das condições do nosso Estado", disse ao reforçar o agradecimento.

A homenagem promovida pelo governo tucano ao também presidente nacional do PMDB ocorre no mesmo dia em que pesquisa Datafolha apontou desaprovação recorde ao governo Dilma, de 71%, e um dia depois de fala polêmica do próprio Temer. Ele, ontem, fez um apelo emocionado ao Congresso pela governabilidade e disse que o País precisa de "alguém que tenha capacidade de reunificar o País". Os termos usados pelo vice-presidente causaram preocupação na cúpula do governo, como sinalização de que ele poderia estar se colocando como possível sucessor em caso de afastamento da presidente.

O PSDB no Congresso Nacional defendeu, nesta quinta-feira, que quem for se manifestar nas passeatas previstas para o próximo dia 16 não peça o impeachment da presidente Dilma, mas a realização de novas eleições. Nesse processo, Temer assumiria a presidência da República temporariamente.

Com púlpito montado para uma coletiva de imprensa na saída do evento, Alckmin e Temer fizeram apenas breves declarações relacionadas à homenagem pela primeira delegacia da mulher em São Paulo, inaugurada há 30 anos quando Temer era secretário de Segurança do Estado. Cada um falou por cerca de um minuto e deixaram o recinto sem ouvir as perguntas dos jornalistas. Com informações do Estadão Conteúdo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário