PF deflagra segunda fase da Operação Pixuleco e prende ex-vereador do PT


Estadão

Alexandre Romano, Berzoini e Lula

Alvo é Alexandre Romano, que foi preso temporariamente, como novo operador de propina ligado ao ex-minstro José Dirceu; alvo teria antecedido o lobista Milton Pascowitch, delator do esquema, responsável pro propina de R$ 50 milhões no Ministério do Planejamento

Atualizada às 9h14

Por Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, Fausto Macedo, Andreza Matais, Talita Fernandes e Julia Affonso

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira, 13, a 18ª fase da Operação Lava Jato e cumpre um mandado de prisão temporária e outros 10 mandados de busca e apreensão nos estados de Porto Alegre, São Paulo, Curitiba e no Distrito Federal. Batizada de Operação Pixuleco II, essa nova etapa é uma continuidade da ação que levou o ex-ministro José Dirceu para a cadeia.

Foi preso Alexandre Romano, que seria um novo operador de propinas que antecedeu o lobista Milton Pascowitch, delator da Lava Jato. Cerca de 70 policiais federais cumprem desde a madrugada desta quinta-feira os mandados decretados pelo juiz federal Sérgio Moro, que conduz os processos da Lava Jato em primeiro grau. Romano é ex-vereador do PT.

Um dos alvos de busca foi o escritório de JD Assessoria e Consultoria – empresa de Dirceu – em Brasília.

“O foco das investigações desta fase é o cumprimento de medidas cautelares em relação ao operador identificado a partir da deflagração da fase anterior responsável por arrecadar valores relacionados a vantagens ilícitas que superam R$ 50 milhões”, informou a Polícia Federal.

A propina seria obtida mediante crédito consignado no Ministério de Planejamento. “Cuja participação fora confirmada com o recebimento de valore por meio de empresas de fachada e pagamentos realizados por ordem do operador.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário