PF aponta R$ 1,1 milhão de empresa de Dirceu para escritório de deputado petista



Rastreamento mostra que, entre 2009 e 2014, a JD Assessoria, do ex-ministro da Casa Civil (Governo Lula), pagou Unicon Serviços Contábeis que tem como sócio Enio Tatto, da Assembleia Legislativa de São Paulo 

Ricardo Brandt, Julia Affonso e Fausto Macedo - Estadão


Rastreamento da Polícia Federal na Operação Pixuleco, 17.º capítulo da Lava Jato que prendeu José Dirceu, revela que a JD Assessoria e Consultoria, do ex-ministro-chefe da Casa Civil (Governo Lula), pagou R$ 1,161 milhão para a Unicon-Serviços Contábeis Ltda, da qual é sócio o deputado estadual Enio Tatto (PT), primeiro secretário da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de São Paulo.

Os repasses ocorreram entre janeiro de 2009 e dezembro de 2014 – período em que Dirceu foi processado, condenado e preso no Mensalão por corrupção ativa.

Os documentos que mostram as relações da JD com a Unicon foram anexados pela Polícia Federal nos autos da Pixuleco, que prendeu também Roberto Marques, o Bob, braço direito de Dirceu.

Bob é funcionário efetivo da Assembleia paulista desde 28 de maio de 1986. Trabalhou na LIderança do PT. Desde 15 de março de 2003 está lotado no Gabinete da 1.ª Secretaria, que o deputado Enio Tatto assumiu há dois anos e meio.

A PF esmiuça todos os negócios da JD porque suspeita que a empresa do ex-ministro, já desativada, foi usada para captar propinas do esquema de corrupção na Petrobrás por meio de consultorias fictícias. Em oito anos a JD faturou R$ 39 milhões. A PF trabalha com a hipótese de que parte dessa receita teve origem em pagamentos ilícitos de empreiteiras que teriam sido beneficiadas em contratos com a Petrobrás.






Os investigadores dizem que pelo menos R$ 21,3 milhões a JD recebeu por meio de depósitos mensais e ininterruptos de três grupos empresariais.

Nos autos da Pixuleco, a Polícia Federal transcreve a constituição da Unicon Serviços Contábeis, de 14 de novembro de 1997, situada na Chácara Santo Antônio, São Paulo, zona sul. O deputado é ‘um dos sócios da empresa’.

Yolanda Tatto, mulher do deputado Enio Tatto, é sócia da Unicon. Ela destaca que a Unicon respondeu pela contabilidade da JD desde a sua fundação.

Yolanda Tatto rechaça enfaticamente qualquer suspeita sobre os valores que a Unicon recebeu da empresa de Dirceu. “Nunca recebi propinas. O valor de R$ 1,161 milhão corresponde ao pagamento de honorários contábeis mensais.”

Ela ressalta que o marido é sócio cotista da Unicon, porque também é contador, mas afirma. “Nos últimos 17 anos ele (Enio Tatto) passou aqui umas cinco vezes para tomar café e foi muito. Nem meu marido nem eu recebemos da Lava Jato. A Unicon recebeu as mensalidades porque cuidamos da empresa dele (José Dirceu) e da pessoa física dele, além de outros trabalhos que eu desenvolvia, alterações contratuais, certidões negativas, consultoria para a área tributária que ele (ex-ministro) me pedia. Não pagaram para o meu marido, pagaram pelos serviços contábeis que prestei.”

Yolanda Tatto anota que a Unicon mantém um quadro de 32 funcionários e uma carteira de 300 clientes.Ela observou que nos últimos meses tem se dedicado a esclarecer ao Ministério Público Federal e à Receita questões relativas às atividades da JD Assessoria. “(JD) tinha, em média, 28 funcionários com INSS e FGTS pagos. Eu respondo pela parte técnica e contábil (da JD).”





Nenhum comentário:

Postar um comentário