Empresário ligado a Dirceu e ao PT negocia delação


Fernando Moura, preso na Pixuleco, conhece como poucos os detalhes da atuação do ex-ministro da Casa Civil (Governo Lula) na Petrobrás; tratativas tiveram início esta semana

Fernando Moura no dia de sua prisão

O empresário e lobista Fernando Antonio Guimarães Hourneaux de Moura, elo do PT e do ex-ministro José Dirceu (Casa Civil/Governo Lula) na Petrobrás, negocia delação premiada com a força-tarefa da Operação Lava Jato. Os investigadores acreditam que as revelações de Moura fecham de vez o cerco a Dirceu.

Moura e Dirceu foram presos preventivamente dia 3 de agosto na Operação Pixuleco, 17.º capítulo da Lava Jato, por suspeita de corrupção e lavagem de dinheiro desviado da estatal em contratos bilionários com o cartel formado pelas maiores empreiteiras do País.

A primeira sondagem para a delação do empresário ocorreu no início da semana. Moura demonstrou interesse, inicialmente, mas tem receio de sofrer retaliações. Por isso, as tratativas estão sendo realizadas com discrição e sob sigilo. Um dos principais investigadores da Lava Jato, peça central nos procedimentos de delação, viajou repentinamente. Quando retornar da viagem o acordo deverá ser retomado.

Fernando Moura seria um operador de propina que representava os interesses de Dirceu na Petrobrás. Foi ele o responsável por indicar o ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque como cota do PT, no esquema de corrupção na estatal. Duque foi preso na Operação ‘Que País é esse?’ e já decidiu fazer delação premiada.

O nome de Duque, funcionário de carreira da estatal, foi apresentado por Fernando Moura a Silvio Pereira, então indicado por Dirceu para preencher cargos de primeira escalão no governo que se iniciava, em 2003.

Desde então, a relação entre Moura e Dirceu se estreitou. Ficaram amigos. Todos os negócios relativos a Petrobrás que envolviam algum interesse do grupo de Dirceu na estatal passavam por Moura. Era ele o encarregado de fazer a ligação entre a Petrobrás, os operadores e os empresários.

“(Moura) já vem de muito tempo, desde o escândalo envolvendo o ex-tesoureiro do PT Silvinho que recebeu uma Land Rover (de empresa contratada pela Petrobrás)”, diz o procurador regional da República Carlos Fernando dos Santos Lima, da força-tarefa da Lava Jato. “Através de Fernando Moura, Renato Duque chegou à Diretoria de Serviços da Petrobrás. Esse esquema passa pela compra de apoio parlamentar, talvez seja o primeiro ponto. Passa por uma facilitação do núcleo das empreiteiras, pelo enriquecimento de algumas pessoas, caso de José Dirceu, enriquecimento pessoal, não mais do partido (PT).”

Segundo o Ministério Público Federal, o lobista Milton Pascowitch, um dos delatores da Lava Jato que incriminou o ex-ministro-chefe da Casa Civil, afirmou que ele e o irmão José Adolfo Pascowitch efetuaram pagamentos tanto a Fernando Moura ‘como a pessoas a ele ligadas, como seu irmão Olavo, seu filho Leonardo, suas filhas Lívia e Anitta e o sobrinho Tiago’.

A Procuradoria afirma que os pagamentos ocorreram na forma de ‘doações’, em um valor global de cerca de R$ 5,3 milhões, no período de 2009 a 2010. “A origem dos recursos, segundo o colaborador (Pascowitch), consistiu em propina de contratos da (empreiteira) Engevix para obras em Cacimbas II.”, destacou a força-tarefa da Lava Jato no pedido de prisão do ex-ministro José Dirceu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário