Boa notícia: a poluição do Tietê diminuiu 87%.


Leão Serva - Folha.com


É frequente ouvir alguém se revoltar com a demora do processo de despoluição do rio Tietê. A cidade precisando de água e todo esse estoque é desperdiçado. Num país dividido entre maniqueus políticos, a discussão logo descamba para a leitura partidária: o rio escuro daqui é comparado ao petróleo de lá. A associação é automática: os bilhões investidos devem ter ido para o ralo das irregularidades, em vez de tratar esgotos.

Só que não: há uma boa notícia que não chega aos paulistanos. A poluição do Tietê diminuiu vertiginosamente desde o início da implantação do programa de despoluição, em 1993, com patrocínio da Agência de Cooperação Internacional do Japão. Nesse período, a mancha que ocupava 530km de extensão passou a apenas 70km, uma redução de 87%. Rios do interior que desaguam no Tietê estão menos poluídos e hoje é possível até pescar no Jundiaí. A melhora tem ajudado o abastecimento nesta época de carência: a Sabesp já capta água do Tietê em três locais que eram mortos há vinte anos (Salesópolis, Biritiba-Mirim e Mogi das Cruzes).

A fonte das informações não é o governo do Estado, mas a auditoria independente exigida pelo convênio com o Japão, a ONG SOS Mata Atlântica, que liderou a campanha pela despoluição do Tietê nos anos 1980/90.

Outra boa nova: a poluição despejada no rio mudou de caráter, era química e industrial quando o Tietê estava morto em 1992 e hoje é predominantemente de esgoto, que dilui em menos tempo. Isso se deve ao controle de detritos industriais, foco da primeira fase do programa (1993-2000).

O principal desafio hoje é completar a coleta e tratamento de esgoto em toda a Grande São Paulo. Embora o programa seja estadual, a adesão é uma opção municipal e nem todas as cidades aderiram. Guarulhos, segunda maior população do Estado, por exemplo, despeja praticamente todo seu esgoto, sem tratamento, no Tietê. Processada pelo Ministério Público Estadual, prometeu em um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) de 2006, tratar o esgoto até 2032. Pelos investimentos feitos desde então, com verba federal do PAC, atrasado em todo o país, é possível que a cidade não consiga cumprir nem o prazo longínquo.

Outra má notícia: a capital suspendeu a adesão ao projeto Córrego Limpo, parceria entre Estado e Prefeitura, que tem garantido avanços para a despoluição das bacias do Pinheiros e do Tietê. O programa é quase óbvio: prevê que obras municipais que tratem de canalização de córregos e rios devem ser planejadas conjuntamente para que sejam realizadas ao mesmo tempo que as estaduais, de captação e tratamento de esgotos, reduzindo custos e tempo de realização. Iniciado em meados da década passada, prevê trabalhos em 40 córregos por ano e a despoluição total de 300 cursos de água em dez anos. A suspensão, que a Prefeitura atribui a atraso burocrático, impõe atrasos e levanta um temor: no front da poluição do ar, a gestão Haddad suspendeu e depois encerrou o programa.

Apesar dos avanços, qualquer que seja sua idade, você não vai poder pescar na ponte das Bandeiras como faziam seus avós. A concentração de poluentes fixada no fundo do rio vai levar muito tempo para sumir. Mas cada ano de atraso adia também a pescaria de seu neto...


Um comentário:

  1. : A poluição do Rio Tietê já diminuiu 87% de sua extensão. Veja neste artigo:

    ResponderExcluir