Íntegra do discurso do governador Geraldo Alckmin na Convenção Nacional do PSDB


Temos um projeto para o Brasil, afirma Geraldo Alckmin


Presidente Fernando Henrique, Aécio, colegas Governadores, prefeitos, parlamentares. Companheiras e companheiros.

É com grande alegria que me dirijo a vocês que são a alma desse movimento pela democracia, pelo desenvolvimento e pela ética, que é o PSDB. Alegria por estarmos juntos, por defendermos juntos a democracia, a liberdade e a decência na vida pública.

Somos o partido do povo brasileiro! O partido da educação que emancipa, da saúde que cuida de gente e da segurança que salva vidas! O partido dos que mais precisam! Somos o partido que nunca usou e nunca usará o nome do trabalhador em vão!

Amigos, o PSDB tem o privilégio de ter colocado o Brasil na rota do crescimento sustentável nos anos 90 e aqui, presidente Fernando Henrique Cardoso, quero dizer que os brasileiros estão com saudades do seu governo. Mas, infelizmente, temos hoje essa situação lastimável dos 13 anos do PT. Juros nas alturas. Contas publicas destruídas. Recessão e inflação. Desemprego. Programas sociais recuando, pedaladas fiscais, pedaladas sociais! Companheiros e companheiras do PSDB, esse é o resultado do maior estelionato do qual foram vítimas os brasileiros.

Diante desse quadro, uma pergunta: o que compete a nós, maior partido de oposição, nesse contexto? Qual deve ser nosso papel? Qual o nosso dever em circunstâncias tão difíceis? Este é o desafio que temos diante de nós. De que maneira podemos ajudar o Brasil? Nessa conjuntura difícil, nossa preocupação imediata deve se voltar aos que mais precisam. Não podemos esquecer que aos brasileiros mais pobres não pode caber a conta dessa tragédia política.

O Lula, por exemplo, quer por seus próprios erros nos ombros do povo. Isso tudo para salvar sua cabeça. Mas ora, Lula, o povo não é bobo, viu? Vamos é defender o emprego e a sobrevivência das famílias! Pois o PT não só contaminou o Estado com o parasita causador da doença; agora tenta debelar a doença com remédios errados. Criaram a doença e agora estão querendo matar o doente. Amigos do PSDB, todos se lembram do mundo da fantasia da propaganda eleitoral. Pois bem. Passadas as eleições, eles aumentaram os juros, inibiram investimentos, concentraram renda e demitem trabalhadores! Que fique bem claro! São eles os amigos da especulação financeira, dos juros que arruínam a produção e sufocam o trabalhador.

Nós, do PSDB, temos uma responsabilidade indeclinável e singular neste momento. A responsabilidade de defender o interesse público, esse órfão abandonado pela chaga do corporativismo. A responsabilidade de apoiar projetos que fortaleçam o país, independentemente da cor partidária de seus autores. A responsabilidade de propor diariamente medidas para estimular investimentos e a geração de empregos.


Um projeto que se vale dos bons exemplos do presidente Fernando Henrique e de tantos governadores e prefeitos tucanos. Trago um testemunho do bom trabalho que o PSDB está fazendo no meu Estado, São Paulo, onde, com a participação ativa do Serra, do Goldman, temos tido, com orgulho, a oportunidade ímpar de dar sequência ao trabalho iniciado por Mario Covas na construção das bases de uma autêntica governança social democrata.

Sabemos que os recursos da saúde precisam estar disponíveis para quem de fato presta serviços: Estados, municípios e entidades filantrópicas. Na Segurança Pública, é inaceitável que o país siga tendo mais de 60 mil homicídios por ano. Sob os 13 anos de PT, o Brasil tornou-se o país onde mais se mata no globo terrestre; e o maior consumidor de cocaína e crack do mundo.

É uma vergonha que, enquanto o mundo revoluciona no uso de fontes alternativas de energia, o governo do PT sabote o etanol. E deixe como legado energético o Petrolão. Defendemos uma reforma política que barateie as campanhas, diminua o número de partidos, aumente a participação popular e ponha fim à promiscuidade entre empresas e governos.

Inserção Internacional do Brasil – a principal economia da América Latina não pode se ver tolhida para celebrar acordos bilaterais. É preciso que o Brasil destrave suas amarras e volte a aproveitar o seu potencial para conquistar mercados internacionais. É preciso fortalecer o empreendedorismo, a eficiência, a inovação. O PT chegou tarde à economia de mercado e, depois, decidiu chantageá-la. Transparência: As estatais brasileiras não podem continuar a ser caixas pretas. Devem ser abertas à luz do sol, para maior controle e fiscalização da sociedade.

Meus amigos, Eles dizem não entender por que são alvo da repulsa que ecoa nas ruas, nas redes sociais, nos espaços públicos e privados. Mas nós sabemos. Amigos, o PT chegou ao fundo do poço. A nós cabe a missão de não deixá-los carregar o Brasil junto com eles. Superada a recessão e afastado o flagelo do petismo no poder, o Brasil poderá reencontrar-se com sua vocação para o crescimento. Diante de um quadro absolutamente singular, no qual se caracteriza um governo maldito pelas ruas, politicamente frágil, dividido, incapaz de servir de exemplo ao país, afirmamos: não vamos deixar o país entregue à desesperança.

VIVA O PSDB! VIVA O BRASIL!

Muito Obrigado

GERALDO ALCKMIN

Nenhum comentário:

Postar um comentário