Ibope: Governo Dilma tem aprovação de 9%


Índice reúne entrevistados que avaliaram governo como 'ótimo’ ou ‘bom’
Instituto ouviu 2.002 pessoas entre 18 e 21 de junho, em 141 municípios

Filipe Matoso - G1 


Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (1º) aponta os seguintes percentuais sobre como os eleitores avaliam o governo da presidente Dilma Rousseff (PT):

- Ótimo/bom: 9%
- Regular: 21%
- Ruim/péssimo: 68%
- Não sabe: 1%

O levantamento do Ibope, encomendado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), foi realizado entre os dias 18 e 21 de junho e ouviu 2.002 pessoas em 141 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

O nível de confiança da pesquisa é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de dois pontos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

Segundo a CNI, o levantamento anterior, divulgado em abril deste ano, havia apontado que 12% aprovavam o governo (consideravam "ótimo" ou "bom"). Na última pesquisa, 64% dos entrevistados avaliaram a administração Dilma como "ruim" ou "péssima". Já 23% consideraram a gestão "regular".

Confiança

De acordo com a pesquisa divulgada nesta quarta pela CNI, 20% dos entrevistados disseram ter confiança na presidente Dilma; já 78% afirmaram não confiar na petista; e 3% não souberam ou não opinaram.

Maneira de governar

O percentual dos eleitores que aprovam a maneira de governar de Dilma passou dos 19% registrados no levantamento anterior para 15% nesta pesquisa. Conforme o Ibope, 83% desaprovam a maneira de governar dela, e 2% não quiseram ou não souberam responder.

A pesquisa indicou ainda que, para 82% dos entrevistados, o segundo mandato de Dilma está sendo pior que o primeiro, enquanto para 14% está sendo igual. Outros 3% consideram a administração no segundo mandato melhor.

O levantamento indica que 11% da população acredita que o restante do segundo governo será ótimo ou bom. Outros 61% consideram que será ruim ou péssimo, 23% acham que será regular e 5% não quiseram ou não souberam responder.

Nenhum comentário:

Postar um comentário