Haddad e sua fábrica de multas: 'Radar campeão' aplica 375 mil multas em um ano na ponte das Bandeiras


Agora


A alça de acesso à ponte das Bandeiras, na pista sentido Castelo Branco da marginal Tietê (zona norte), tem o radar campeão de multas na capital em 2014.

Foram 375.021 infrações flagradas pelo equipamento no local, sendo quase a totalidade, 370.286, por conversão proibida à direita entre 6h e 15h, de segunda à sexta-feira, exceto táxis e ônibus.

Os dados fazem parte de levantamento exclusivo, baseado em dados obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação, com todas as multas de radares em 2014 na capital.

O ódio dos motoristas é proporcional ao "apetite" do radar da ponte das Bandeiras, responsável por cerca de 1 em cada 20 multas aplicadas na capital (6,3%) –e por uma arrecadação estimada em R$ 47,2 milhões em 2014.

A multa é de R$ 127,69 e rende cinco pontos na carteira.

"É pilantragem. É alça de acesso à ponte, não tem como não entrar. Vim no fluxo", diz o comerciante José Odirlei Lima Monteiro, 33, multado em 6 de junho.

Placas informando a proibição foram colocadas desde a ponte da Vila Guilherme, a cerca de 2 km. Também há sinalização no asfalto. Mesmo assim, há confusão.

"Moro em Santana a vida inteira, sou sócio do Clube Espéria [vizinho do radar], dirijo há 30 anos por ali. É a coisa mais normal do mundo pegar o acesso para cruzar a ponte. Não faz sentido", diz o servidor público João Francisco Viseu de Barros, 53.

Para a coordenadora da Divisão Técnica de Trânsito do Instituto de Engenharia, Maria da Penha Pereira Nobre, só as placas não são suficiente.

"Colocaria agente de fiscalização para que as pessoas percebam que existe a proibição", afirma.

"Não tem sentido [a quantidade de multas]. O objetivo do radar é evitar que ocorram mais infrações", diz.

Quem trafega pelas marginais também precisa redobrar a atenção desde do dia 20 deste mês, quando os limites caíram de 90 km/h para 70 km/h na pista expressa, de 70 km/h para 60 km/h na central e de 70 km/h para 50 km/h na local. As mudanças acirraram os ânimos dos motoristas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário