Gestão Haddad: Número de atropelamentos por ônibus sobe 31% em São Paulo


Artur Rodrigues - Folha.com


O número de atropelamentos por ônibus cresceu 31% na cidade de São Paulo no ano passado, em um ritmo que destoa da tendência dos demais veículos da cidade. Foram 114 casos em 2014 contra 87 em 2013.

Para especialistas ouvidos pela reportagem, o crescimento, após dois anos de queda, tem relação com o avanço das faixas exclusivas na gestão Fernando Haddad (PT), somado à sinalização deficiente e à falta de limites de velocidade rigorosos para os coletivos.

Dados da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) mostram que os ônibus ficaram mais rápidos após as faixas, mas a prefeitura nega ligação entre esse fato e o aumento de atropelamentos.

A companhia não detalha onde os casos envolvendo coletivos ocorreram.

LETALIDADE

Os ônibus representam só 1% da frota de São Paulo, mas respondem por uma em cada quatro mortes por atropelamento (considerando-se os casos em que o veículo foi identificado).

Os coletivos não eram tão letais desde 2009, quando houve 117 casos. Já o total de mortos por carros e caminhões ficou praticamente estável de 2013 para 2014, enquanto houve queda nos casos de motos.

Em 2014, ano com dados mais recentes disponíveis, a participação dos ônibus também cresceu no mapa geral de acidentes com mortes. Eles foram de 183, em 2013, para 215, em 2014. O número leva em conta também colisões.

"Os ônibus estão matando mais. A gente associa isso às faixas junto da calçada, onde passam que nem flecha, em alta velocidade", diz o consultor Sergio Ejzenberg, mestre em engenharia pela USP.

A gestão Haddad, que havia prometido 150 km de faixas exclusivas de ônibus, implantou 386 km até maio.

Segundo estudo do município com base em 66 km de faixas implantadas em 2014, a velocidade média dos ônibus subiu 68% após a medida -de 12,2 km/h para 20,5 km/h.

Em algumas vias, o salto foi bem maior, como na avenida Jaguaré, em que a média passou de de 10,8 km/h para 44,9km/h -alta de 317%. Fora dos horários de pico, o número é ainda maior.

Para reverter a tendência de aumento de mortes no trânsito na cidade, que passaram de 1.152 em 2013 para 1.249 em 2014, a gestão Haddad decidiu recentemente reduzir o limite de velocidade em diversas vias, como as marginais Pinheiros e Tietê.

Para Flamínio Fichmann, consultor em transporte, a implantação de faixas exclusivas ônibus deveria vir junto com uma melhor capacitação dos motoristas.

"Sempre que há uma nova situação para o condutor, é preciso instruí-lo porque, com caminho mais livre, a velocidade aumenta, e o risco para o pedestre também."

A mudança no trânsito também confunde quem está a pé, diz Luiz Célio Bottura, ex-ombudsman da CET.

"Em algumas regiões, o pedestre não foi devidamente informado sobre os novos trajetos dos ônibus. Com uma travessia sem atenção, coloca-se a vida em risco", diz.

A reportagem ouviu diversos relatos de acidentes por desatenção. "Os pedestres entram na faixa porque os camelôs ocupam a calçada, não veem o ônibus e o motorista não tem tempo de desviar", diz o taxista Alberto Leopoldo, que atua na região das avenidas Rangel Pestana (centro) e Celso Garcia (zona leste).



OUTRO LADO

A Prefeitura de São Paulo afirma que o aumento de atropelamentos por ônibus não está relacionado à expansão das faixas e corredores.

Em nota, o município afirma que a implementação das faixas vem acontecendo desde 2013, ano em que foram instalados 291,4 km. Em 2014, foram 77,8 km de faixas.

"Portanto, não é consistente querer estabelecer uma relação entre o aumento do número desse tipo de acidente com a operação das faixas exclusivas", afirma a gestão.

A prefeitura afirmou que "promove um trabalho de orientação junto às empresas do sistema de transporte coletivo feito por ônibus no sentido de que treinem e reciclem os condutores".

A nota informa que está sendo feito um acompanhamento para detectar as causas dos acidentes de trânsito. Segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), há um "trabalho intensivo" para ampliar a sinalização para garantir a segurança na travessia, além de orientação aos pedestres.

VELOCIDADE

A prefeitura também ressaltou ter implantado há alguns meses um programa denominado Área 40. O projeto consiste na diminuição da velocidade em vias em que há mais acidentes.

Na última semana, a gestão Haddad divulgou estudos que embasam a decisão de reduzir a velocidade permitida em várias vias da capital, com objetivo de reverter a tendência de aumento de mortes.

A partir de 40 km/h, segundo o estudo, cresce muito a chance de morte.

O caso mais emblemático é o das marginais Tietê e Pinheiros. O limite nas pistas expressas dessas vias passará de 90 km/h para 70 km/h na próxima segunda-feira (20).

A partir de 3 de agosto, a velocidade máxima também vai cair de 60 km/h para 50 km/h nas avenidas Aricanduva e Jacu-Pêssego (zona leste).

O objetivo da prefeitura é que a velocidade máxima padrão na cidade passe a ser 50 km/h, não 60 km/h, como é atualmente.

Colaborou JAIRO MARQUES

Nenhum comentário:

Postar um comentário