Dilma e Lula esnobaram tentativas de aproximação de FHC, hoje o cercam


Blog do Josias de Souza


O alto tucanato recebeu com um pé atrás o flerte de Lula e Dilma Rousseff com Fernando Henrique Cardoso. Há cinco meses, a dupla esnobou FHC. No final de fevereiro, o ex-presidente tucano sinalizou para Dilma seu interesse em conversar. Fez isso por meio de um amigo comum, o advogado e ex-deputado petista Sigmaringa Seixas.

Numa conversa testemunhada pelo deputado Raul Jungmann (PPS-PE), ex-ministro do seu governo, FHC queixou-se da tática do “nós contra eles”, adotada por Lula para estigmatizar a oposição. Antevendo uma deterioração dos cenários político e econômico, mostrou-se aberto ao diálogo com a presidente.

Nos primeiros dias de março, Sigmaringa transmitiu a Dilma o teor da conversa que tivera com FHC. Ela reagiu com indiferença. Não esboçou interesse em dialogar. Embora os recados de FHC fossem endereçados apenas a Dilma, Sigmaringa relatou o encontro também para Lula. Que refugou a tentativa de aproximação.

Os meses se passaram. Confirmaram-se os vaticínios de FHC. Com a economia em frangalhos, a lama da Petrobras a invadir-lhe a caixa de campanha e sitiada pelos aliados no Congresso, Dilma manifesta o desejo de estreitar a inimizade. Lula já não vê a aproximação como um despropósito.

Agora é FHC quem torce o nariz. Já havia estendido a mão para o petismo noutras oportunidades. Numa delas, dirigiu-se ao próprio Lula. Sem intermediários. Encontraram-se a bordo do jato presidencial, a caminho da África do Sul. Integravam a comitiva de ex-presidentes que Dilma levou aos funerais de Nelson Mandela.

No voo de volta, observado pelos ex-presidentes José Sarney e Fernando Collor, FHC disse a Lula que era hora de unirem forças para reformar a política. Ainda latejavam na conjuntura os protestos que encheram as ruas na jornada de junho de 2013. E FHC disse para Lula que, sem uma reação adequada, a crise tragaria todos os políticos, sem muita distinção partidária. O morubixaba petista respondeu que estava mais preocupado com a eleição presidencial do ano seguinte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário