Tucanos querem esclarecer pagamentos milionários de empreiteira envolvendo Lula



“Aos poucos as investigações da corrupção na Petrobras vão chegando à cúpula e a quem mais se beneficiou dos crimes”. O comentário feito pelo líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP), se refere à divulgação que a empreiteira Camargo Corrêa destinou R$ 3 milhões para o Instituto Lula e mais R$ 1,5 milhão para a LILS Palestras Eventos e Publicidade, empresa do petista, entre 2011 e 2013. A informação consta em laudo da Polícia Federal sobre o caso (veja imagem). Desde a revelação das informações, parlamentares cobraram explicações mais detalhadas, inclusive no âmbito da CPI da Petrobras. 

Convocação de Okamoto - Como destacou o 1º vice-presidente da comissão, deputado Antonio Imbassahy (BA), esta é a primeira vez que os negócios do ex-presidente aparecem na Operação Lava Jato. “São três pagamentos de R$ 1 milhão cada registrados como ‘Contribuições e Doações’ e ‘Bônus Eleitoral’ para o Instituto, aberto por Lula após ele deixar a Presidência da República, em 2011”, destacou o tucano, que completou: “Cada vez mais perto”. Já os repasses à LILS seriam referentes a palestras proferidas pelo líder petista.

Standard Podcast [ 1:30 ] Play in Popup | Download

Nesta quarta-feira o parlamentar apresentou requerimento de convocação de Paulo Okamoto para dar explicações na CPI da Petrobras sobre esses pagamentos. “Okamoto é o presidente da entidade e tem muito a esclarecer sobre as informações que constam de laudo pericial da Polícia Federal anexado aos autos da Operação Lava Jato”, afirmou Imbassahy.

O deputado Delegado Waldir (GO) sugeriu, em audiência na CPI, que o ex-presidente Lula vá ao colegiado para dar explicações. Assim como Sampaio e Imbassahy, o parlamentar avalia que as investigações do petrolão estão se aproximando do comando do esquema de corrupção. “O ex-presidente precisa dar explicações a essa comissão. Ele deveria seguir o exemplo do presidente da Câmara [Eduardo Cunha] e vir aqui espontaneamente sem que a gente precise convocá-lo”, disse Waldir.

Waldir disse ainda que Lula deve explicações também sobre a visita que recebeu de Paulo Roberto Costa no Palácio do Planalto em 2006. Documento da Petrobrás indica que o ex-diretor de Abastecimento viajou a Brasília para se reunir com o então presidente com o objetivo de tratar da Refinaria de Pasadena, no Texas (EUA), dias antes de a controversa compra da planta de refino ser autorizada. Costa está preso, condenado por lavagem de dinheiro e participação em organização criminosa devido irregularidades praticadas na petroleira.

“É inexplicável que o ‘Paulinho’ tenha passado por cima de toda hierarquia e chegado ao Planalto para conversar com o presidente. Antes dele, na cadeia hierárquica tinha ainda a atual presidente Dilma”, lembrou, ao ressaltar que existem requerimentos de convocação de Lula na CPI e que eles deveriam ser colocados em votação.

Em discurso, o deputado Rocha (AC) disse que a Lava Jato chegou onde a população brasileira sabia que chegaria: na identificação do que chamou “de grande líder do esquema de corrupção montado no poder público brasileiro”. “A máscara caiu: o povo brasileiro viu onde foram parar os bilhões que foram desviados da Petrobras, dos fundos de pensão e das entidades públicas que tinham o PT estava à frente. Até que enfim a PF pegou o fio da meada e certamente cabe à Justiça, ao MP e aos parlamentares cobrar que justiça seja feita”, afirmou. Assim como Waldir, Rocha defendeu a ida de Lula à CPI para explicar o recebimentos desses recursos. 

Também da tribuna, João Gualberto (BA) também abordou o tema e lembrou que a empreiteira em questão é uma “das mais enroladas na Operação Lava Jato”. O tucano classificou de “mensalão gigante” o valor repassado ao ex-presidente. 

Na opinião do deputado Domingos Sávio (MG), as doações ao Instituto Lula e à LILS devem ser investigadas. “Para quem, como eu, que denuncia há tempos a existência de esquemas de corrupção no governo Lula, a notícia não chega a ser uma surpresa. É óbvio que o caso demanda investigações a fundo para verificar se há relações entre o ex-presidente e o esquema criminoso que vem roubando o nosso país”, declarou.

(Da redação, com Agência PSDB/Foto: Alexssandro Loyola/ Áudio: Hélio Ricardo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário