"O PT e a síndrome do restaurante cheio", artigo de Rogério Gentile


Folha de S.Paulo


Não está fácil ser petista em São Paulo. Depois do mensalão, do petrolão e da crise econômica, cada vez que uma personalidade do partido se aventura a circular pela cidade, corre o risco de passar por algum constrangimento.

Haddad foi vaiado recentemente em um teatro. Mantega foi apupado em um restaurante e ouviu um "vai para o SUS" num hospital particular. Padilha teve de engolir um discurso irônico durante um jantar. Todas essas situações são chatas e desagradáveis. Refletem também certa falta de noção e de educação.

Mas, ao contrário do que têm dito alguns petistas, que costumam chamá-los de "ilegítimos" e "fascistas", protestos desse tipo fazem, sim, parte da democracia, assim como os aplausos e elogios. Somente em regimes democráticos, autoridades podem ser questionadas na lata, cara a cara, sem que o autor seja punido. Em Cuba, na China ou na Coreia do Norte, com certeza, não seria recomendável.

Há de se considerar também que protestos verbais, ainda que grosseiros e lamentáveis, são mais admissíveis e fáceis de assimilar do que aqueles que os adversários do PT costumavam sofrer quando estavam no governo.

Em 1991, por exemplo, manifestantes da CUT e do MST, aos gritos de "filho da puta" e "ladrão", atiraram pedras, ovos e lama em Collor em Santa Catarina. O então presidente, hoje aliado de Lula, por pouco não foi atingido. Quatro anos depois, cena parecida ocorreu na Paraíba, quando simpatizantes do petismo apedrejaram o ônibus que conduzia FHC. Dois auxiliares do presidente foram atingidos por uma pedra e estilhaços de vidro.

Os petistas que, no entanto, não querem correr o risco de enfrentar cenas explícitas de insatisfação não precisam, de modo algum, se abster de sair de casa. Como ensinam os artistas, jogadores de futebol e celebridades "BBBs", gorro, peruca e óculos escuros são extremamente úteis para quem não deseja ser reconhecido em local público.


*Rogério Gentile é Secretário de Redação da Folha. Entre outras funções, foi editor da coluna "Painel" e do caderno 'Cotidiano'. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário