Governador Geraldo Alckmin e ministro da Justiça vão discutir maioridade nesta terça-feira


Folha.com


O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), vai debater com a equipe da presidente Dilma Rousseff (PT) sua proposta alternativa à redução da maioridade penal de 18 para 16 anos.

O tucano marcou encontro nesta terça (9) com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para tratar do tema.

A reunião vai acontecer menos de uma semana depois de o governador defender em entrevista ao jornal "O Globo" um projeto que prevê a ampliação do período de internação máxima de menores infratores, de três para oito anos.

Alckmin vê a proposta como uma alternativa à simples redução da maioridade penal. O tucano tem tratado a articulação com o governo e setores do PT com cautela.

Ele teme melindrar integrantes de seu próprio partido, que tem feito oposição sistemática à petista no Congresso, e o presidente da Câmara, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que encampa a tese da redução da maioridade na Casa.

Por isso, Alckmin tem mantido contato quase constante com o peemedebista. Nesta segunda (8), por exemplo, os dois conversaram por telefone —Cunha está na Rússia em missão oficial— e agendaram reunião para quinta (11).

Aliados do governador relatam que Cunha dá sinais de que vai colocar em votação tanto a proposta de Alckmin quanto a que reduz a maioridade penal. Cunha tem afirmado que não vê "conflito" entre as duas teses.

2 comentários:

  1. Esperamos que esta conversa , não caminhe tão somente para a politicagem. Existe a necessidade de tomada de atitudes e o ESTADO , sabe que não somente com relação aos menores, mas também aos adultos envolvidos na criminalidade e que estão em cumprimento de pena. Qto aos menores, mudanças estruturais devem acontecer, além da maioridade penal ou da aplicação da proposta do Governador Alkmim em punir mais severamente os que cometem crimes de maior relevancia. A acolhida destes menores, mesmo levando em conta o que temos, deveria ser mais sabia, separando os menores com base na idade e no crime cometido, bem como de seus antecedentes. Qto ao adulto, já é hora de termos estabecimentos prisionais, onde as celas deveriam ter um ou no máximo dois reeducando , incluindo-se politicas de ressocialização , muito mais do que simples trabalhados de confecção de bolas de futebol . Temos os iniciantes , como temos os que já estão no crime ha muitos anos. Eles não podem continuar convivendo o mesmo espaço. Tem que haver uma redistribuição, no sistema que ai está. Que Deus os ilumine e encontrem os caminhos de que precisamos para melhorar a situação prisional .E tenho dito .'. Paz Profunda .'.

    ResponderExcluir
  2. Esperamos que esta conversa , não caminhe tão somente para a politicagem. Existe a necessidade de tomada de atitudes e o ESTADO , sabe que não somente com relação aos menores, mas também aos adultos envolvidos na criminalidade e que estão em cumprimento de pena. Qto aos menores, mudanças estruturais devem acontecer, além da maioridade penal ou da aplicação da proposta do Governador Alkmim em punir mais severamente os que cometem crimes de maior relevancia. A acolhida destes menores, mesmo levando em conta o que temos, deveria ser mais sabia, separando os menores com base na idade e no crime cometido, bem como de seus antecedentes. Qto ao adulto, já é hora de termos estabecimentos prisionais, onde as celas deveriam ter um ou no máximo dois reeducando , incluindo-se politicas de ressocialização , muito mais do que simples trabalhados de confecção de bolas de futebol . Temos os iniciantes , como temos os que já estão no crime ha muitos anos. Eles não podem continuar convivendo o mesmo espaço. Tem que haver uma redistribuição, no sistema que ai está. Que Deus os ilumine e encontrem os caminhos de que precisamos para melhorar a situação prisional .E tenho dito .'. Paz Profunda .'.

    ResponderExcluir