Conexão PT-PCC: Perueiro foi morto após questionar novo contrato de transporte


Vítima desligou-se de cooperativa 5 dias antes de execução; morte de outra testemunha fez MP paralisar investigação de lotações

BRUNO RIBEIRO - O ESTADO DE S. PAULO

Prefeito Fernando Haddad e o O secretário municipal de Transportes de São Paulo, Jilmar Tatto

O perueiro Sergio da Conceição Nobre Oliveira, de 36 anos, cuja morte paralisou uma investigação sobre contratos da Prefeitura com empresas de lotação da capital paulista, foi assassinado cinco dias depois de discutir com colegas mudanças nos contratos com a São Paulo Transporte (SPTrans). Esse atrito é a principal linha de investigação da morte. 


O assassinato de Oliveira e o espancamento de outra pessoa fizeram o Ministério Público Estadual (MPE) paralisar uma investigação cível sobre fraude na contratação de perueiros pela Prefeitura, conforme o Estado revelou nesta sexta. A apuração segue na área criminal, com a suspeita de participação da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC).

Mudança. Cooperativas viraram empresas de ônibus

No inquérito sobre a morte do perueiro, uma testemunha contou que a vítima “estava contrariada com a decisão deles (a diretoria de sua cooperativa, a Paulistana) em se tornar uma empresa, registrando-a apenas em nome de alguns, ignorando os demais 600 cooperados”, segundo depoimento ao qual a reportagem teve acesso. 

Oliveira era do Conselho Fiscal da cooperativa. Depois de uma discussão mais grave com outro conselheiro - já identificado -, o perueiro enviou uma carta à diretoria se desligando da cooperativa. Ele foi morto cinco dias depois, antes de sair de vez da empresa. Foi abordado na porta da garagem por homens em um carro clonado.

Prefeitura. Na quinta-feira o secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto, defendeu a manobra da Prefeitura que permitiu que as cooperativas, que tinham centenas de empregados, virassem empresas “no nome de alguns”, como falou o perueiro morto. Tatto disse que a mudança foi um pedido das próprias cooperativas e afirmou que, quem não estivesse satisfeito com o modelo, poderia deixar os antigos associados - como fez Oliveira antes de ser executado. 

O prefeito Fernando Haddad (PT) foi questionado nesta sexta sobre a responsabilidade de sua gestão diante das mudanças na rede e a onda de violência, mas não quis comentar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário