Operação desastrada de Haddad acaba em confronto na cracolândia


Artur Rodrigues, Fabrício Lobel, Felipe Souza e Giba Bergamim Jr. - Folha.com

O prefeito Fernando Haddad e o Secretário de Direitos Humanos da capital Eduardo Suplicy acompanham a ação 

Uma ação desarticulada da prefeitura e do governo do Estado na região da cracolândia transformou o centro de São Paulo numa praça de guerra nesta quarta-feira (29).

Policiais militares feriram viciados a bala, usuários de drogas ameaçaram pedestres com facas e pedaços de pau, apedrejaram ônibus e furtaram motoristas –tudo isso em meio a bombas de gás, barricadas de fogo, "guerra" de pedras e comerciantes correndo para fechar as portas.

Tudo começou pela manhã, quando a prefeitura colocou em operação uma nova ofensiva para acabar com a chamada "favelinha", como é conhecido um conjunto de barracos dos viciados.

A administração Fernando Haddad (PT) disse aos dependentes que os barracos seriam desmontados e não mais poderiam ser reerguidos.


Já que a permanência nas ruas não seria mais tolerada, a única opção a eles seria aderir ao programa municipal para dependentes químicos, que oferece um quarto de hotel, refeição e um emprego.

Essa ação seria acompanhada no mesmo dia de uma ofensiva das polícias Civil e Militar contra o tráfico, mas o governo de Geraldo Alckmin (PSDB) disse não ter sido avisado pelo município.

A troca de responsabilidade ocorreu entre Haddad e o secretário estadual da Segurança, Alexandre de Moraes.

Editoria de arte/Folhapress

TIROS E FERIDOS

O primeiro confronto ocorreu por volta das 14h. Policiais militares à paisana que circulavam na região foram "descobertos" por um grupo de viciados, que se aproximou e tentou agredi-los.

Cercado, um dos policiais sacou a arma e fez alguns disparos. Um dos tiros acertou o chão, ricocheteou e atingiu a perna de um usuário. Outro dependente foi atingido de raspão no pescoço pelos estilhaços –nenhum corre risco de morte. Segundo o governo do Estado, um PM foi agredido com barra de ferro.

A usuária de drogas Daniela de Oliveira, 25, disse que estava próxima quando ocorreu a confusão. "Eles [viciados] tumultuaram pra cima dos policiais, aí os policiais deram um tiro para cima. Agora acho que eles [usuários] vão tumultuar por causa desses tiros", disse.

E os usuários de fato "tumultuaram" em seguida.

A partir do meio da tarde, já sem um local fixo para dormir, eles se espalharam pelo centro, em confronto com PMs e integrantes da Guarda Civil Metropolitana, ligada à Prefeitura de São Paulo.

Carrinhos, barracas, mochilas, antes confinados a uma esquina, se espalharam por diferentes ruas.

Próximo ao terminal Princesa Isabel, um ônibus foi depredado. "Chegaram jogando pedra. Pegaram minha bolsa e a do cobrador. Levaram o dinheiro e fugiram", disse a motorista do coletivo Netanias Lopes, 58.

Nem mesmo uma agente da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) foi poupada no tumulto. "Enfiaram a mão dentro do carro e levaram meu celular novo. Vi um monte de criança com pedra, mas não consegui encontrá-los depois", disse a agente da CET Neuza Alves Martins. Ela abandonou o carro oficial e saiu correndo atrás dos jovens por diversos quarteirões, mas o esforço foi em vão. "Já desligaram [o celular]", disse desanimada após tentar ligar para o aparelho roubado utilizando outro telefone.

A comerciante Eliana Oda, 53, teve que fechar os portões da farmácia onde trabalha, na avenida Duque de Caxias, quando um grupo de cerca de dez jovens passaram correndo e ameaçando pedestres com pedras na mão. "Se essa confusão fosse resolver algo, eu até entenderia. Mas eu já vi isso muitas vezes aqui e nada muda. Amanhã vai estar igual como antes."

A situação se acalmou somente no início da noite, por volta das 19h30.

Nenhum comentário:

Postar um comentário