Agência contratada pela Petrobras pagou propina a André Vargas


MARIO CESAR CARVALHO


Uma agência de publicidade contratada pela Petrobras, a FCB Brasil, ordenou o repasse de R$ 311 mil para uma empresa fantasma do ex-deputado federal André Vargas (ex-PT-PR, hoje sem partido), segundo a Folha apurou.

O pagamento foi feito em 26 de fevereiro do ano passado, no mesmo dia em que a FCB conquistou uma conta de R$ 110 milhões da Petrobras.

A FCB Brasil pediu que a produtora O2 Filmes Publicitários fizesse o pagamento por ela. O envolvimento da agência no suposto esquema de desvios da estatal foi revelado pelo site O Antagonista nesta sexta-feira (17).

O pagamento da 02 Filmes Publicitários a Vargas foi apontado emreportagem da Folha da última quarta (15). A 02 tem como um de seus sócios o cineasta Fernando Meirelles, diretor de "Cidade de Deus".

Os procuradores da Operação Lava Jato consideram o repasse propina porque a empresa de Vargas que recebeu o montante, a LSI Solução em Serviços Empresarias, não tem atividade alguma.

Outras produtoras famosas, como a Conspiração, a Academia de Filmes e a Zulu também fizeram pagamentos, que somam R$ 3,17 milhões, segundo planilha apreendida na casa do ex-deputado, em Londrina (PR), no último dia 10, quando Vargas foi preso.

A Folha apurou que a conta da Petrobras foi conquistada com ajuda do publicitário Ricardo Hoffmann, que foi vice-presidente da agência Borghi Lowe em Brasília e atendia duas contas do governo (Ministério da Saúde e Caixa Econômica Federal), cujos contratos somam cerca de R$ 140 milhões.

A FCB Brasil e a Borghi Lowe pertencem ao mesmo grupo, o Interpublic.

NOVOS CLIENTES

Hoffmann foi preso pela Operação Lava Jato na última sexta-feira (10) por conta de suspeitas de que ele teria pago propina para conseguir as contas daCaixa e do Ministério da Saúde, segundo o juiz federal Sergio Moro.

O publicitário disse em depoimento à PF que pagava André Vargas para ele conseguir clientes privados para a agência, mas que ele não indicou nenhuma empresa.

O repasse dos recursos saía de uma comissão que gira em torno de 10% que produtoras como a O2 pagam à agência de publicidade por ter feito um determinado trabalho, prática conhecida no mercado como BV (bonificação de volume) de produção. A O2, no entanto, não fez nenhum trabalho para a Petrobras na época do pagamento.

Esse tipo de comissão é proibido pelo governo por ser considerado uma prática antiética, já que ele pode elevar o preço do trabalho. Agências como a Borghi Lowe proíbem o BV, mas a FCB Brasil só veta essa prática em contas publicitárias do governo.

A FCB, a O2 e a Petrobras ainda não se manifestaram.

Nenhum comentário:

Postar um comentário