Câmara aprova convite para ministro da Justiça explicar encontros com procurador-geral


Reunião de Cardozo com Rodrigo Janot às vésperas da divulgação da lista de políticos investigados na Operação Lava Jato não foi divulgada na agenda de nenhuma das autoridades

DAIENE CARDOSO E DANIEL CARVALHO - O ESTADO DE S.PAULO


O ministro da Justica, José Eduardo Cardozo encontrou Janot no gabinete do procurador-geral na noite do dia 25 de fevereiro, às vésperas da divulgação da lista de políticos investigados na Lava Jato.

Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira, 25, um convite para que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, explique aos parlamentares a omissão em agenda oficial de seu encontro com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para tratar dos pedidos de investigação ao Supremo Tribunal Federal (STF) dos envolvidos na Operação Lava Jato.

O governo conseguiu transformar o que inicialmente era um pedido de convocação, feito pelo deputado Nelson Marchezan Júnior (PSDB-RS), em convite. A ideia é que Cardozo participe de uma audiência conjunta entre a CCJ e a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle. 

Cardozo encontrou Janot no gabinete do procurador-geral na noite do dia 25 de fevereiro, às vésperas da divulgação da lista de políticos investigados na Lava Jato. Cardozo negou, contudo, que o encontro teria sido usado para discutir sobre a operação. Segundo ele, a conversa foi sobre o pacote de medidas legislativas de combate à corrupção.

O encontro não constava das agendas oficiais de nenhuma das autoridades. Cardozo chegou a afirmar que disse a reunião já havia sido marcada "há algum tempo".

Nenhum comentário:

Postar um comentário